LEIA A BÍBLIA

ORATÓRIO

ORATÓRIO
Acenda uma vela

SIGA-NOS

twitter

MARCADORES

RIODEJANEIRO SANTOS NOTÍCIAS VATICANO ARTIGOS LONDRINA VICENTINOS FAMÍLIA JMJ MEMÓRIA BEATIFICAÇÃO HOMILIAS ECUMENISMO Formação POLÍTICA SAÚDE MÚSICOS CNBB ECONOMIA Pe.REGINALDO CINEMA CAMPANHAS EUA ESPIRITUALIDADE MINASGERAIS PASTORAIS SÃOPAULO ABORTO CANÇÃONOVA LIVROS ORAÇÕES CURITIBA JUVENTUDE MARINGÁ MISSÕES POLÍCIA PORTUGAL EXORCISMO COMUNICAÇÃO MULHER Testemunho Entrevista INTERNACIONAL JUNDIAÍ VOCAÇÕES MUDABRASIL FUTEBOL MENSAGENS Pe.ZEZINHO UNIVERSITÁRIOS DireitosHumanos EUCARISTIA APOLOGÉTICA DENÚNCIA TEOLOGIA HUMOR INTERNET MILAGRES BÍBLIA ECOLOGIA CANONIZAÇÃO CASAMENTOS NAMORO APARECIDA EDUCAÇÃO MOVIMENTOS PASTCRIANÇA ANCHIETA CIMI CIÊNCIA CORRUPÇÃO ESPORTE POESIAS Rio+20 SALVADOR SANTAMARIA TURISMO VATICANOII APOSENTADOS CRIANÇAS FINADOS INFANTIL IRMÃDULCE PALOTINOS ADVOCACIA AGRICULTURA CARNAVAL EVANGELIZAÇÃO PORTOALEGRE PSICOLOGIA TEATRO AMAZONAS BENFEITORES BRASÍLIA COMEMORAÇÕES CRÔNICAS DEMOCRACIA DIREITOS DOCUMENTÁRIO FOCOLARES FORTALEZA MEIOAMBIENTE MUTICOM PARANAGUÁ PUBLICIDADE QUARESMA SEXUALIDADE XAVERIANOS ÁFRICA ÁGUAS ANÔNIMOS APUCARANA CAMPINAS COMUNICADOS CONFISSÃO CristoRedentor CÁRITAS DEFICIENTES DEPRESSÃO FLORIANÓPOLIS FOTODIGITAL INGLATERRA OpusDei PARAGUAI POBREZA SANTOANTÔNIO TERRORISMO ANIVERSÁRIO APARIÇÕES ARGENTINA CEBs CIDADANIA CLARETIANOS IDOSOS ISLAMISMO JERUSALÉM JOÃOPAULOII JUSTIÇA LITERATURA MANAUS PARANÁ PARÓQUIAS PAULINAS PENSAMENTOS REDEVIDA RESSURREIÇÃO SANTUÁRIOS SOLIDARIEDADE UMUARAMA  NOTÍCIAS ADOÇÃO ATEÍSMO AUTOESTIMA BAIXOCLERO CANTORES CATEQUESE COOPERATIVISMO CORPUSCHRISTI CÉLULAS DOCUMENTOS DOUTRINASOCIAL ESCÂNDALO ESTATÍSTICA FILOSOFIA GASTRONOMIA GotasBíblicas MARISTAS MEDITAÇÃO MESTERS MIGRANTES MOTIVAÇÃO MÉXICO NSGUADALUPE PECADO PEDOFILIA PadreChrystian RELIGIOSOS RENOVAÇÃO SUDÁRIO SãoFreiGalvão TABAGISMO TERRASANTA UNIDADE VIOLÊNCIA BEATIFICAÇÃO ACONSELHAMENTO ADORAÇÃO ANTICRISTO APAEs APOSTAS APOSTASIA ARMÊNIA AUTOCURA AVAAZ BATIZADOS BEAGÁ BIOGRAFIAS CHILE CHINA CIRCO COLÔMBIA CONSAGRAÇÃO CONVERSÃO CÍRCULOS DEBATE DEMOGRAFIA EMPRESAS ESPANHA EUROPA EVANGELISMO Especial FOZDOIGUAÇU FREIBETTO FREIDAMIÃO FRUTAS FÁTIMA GOIÂNIA GREVE GruposBíblicos HOMENAGENS IDEIAS IMPEACHMENT JESUITAS JOINVILLE LITURGIA LOURDES MARANHÃO MATOGROSSO MISERICÓRDIA MSM NÔMADES OAnônimo ONGs P.CARCERÁRIA PADROEIRA PATERNIDADE PAULOFREIRE PERFIL PERNAMBUCO PETRÓPOLIS PHN PIAUÍ POLIGAMIA PORNOGRAFIA PPI PROFISSÕES PROMESSAS PROSPERIDADE Pe.FÁBIOdeMELO Pe.PauloRicardo Prof.MARINS REDEGLOBO RELÍQUIAS RONDÔNIA RUSSIA SACRILÉGIO SANTACATARINA SANTAMISSA SANTAPAULINA SANTOANDRÉ SEGURANÇA SOBRIEDADE SOROCABA SÍNODO Século21 TAUBATÉ TECNOLOGIA TERCEIROSETOR TURQUIA UNESCO VIDANIMAL ZUMBI

Pastoral Urbana é analisada sob o olhar teológico, pastoral e sociológico


Brasília, CNBB - Coordenadores de pastoral das cem dioceses de maior população participaram, em Brasília, do Seminário sobre Pastoral Urbana, organizado pelo Instituto Nacional de Pastoral (INP). O evento, que terminou ontem, dia 12 de novembro, discutiu durante quatro dias o fenômeno urbano a partir de quatro categorias: territorialidade e desterritorialidade; midiatização e mediatização; subjetividade e autonomia; novas formas de sociabilidade e exclusão.

Foram convidados 12 especialistas em sociologia, teologia, psicologia e comunicação que analisaram estas categorias do ponto de vista sociopolítico, teológico e pastoral. Uma constatação unânime entre os especialistas é que não se pode reduzir o fenômeno urbano à cidade.
Segundo o presidente do INP, padre Agenor Brighenti, um olhar amador e empírico não é suficiente para entender o fenômeno urbano. “Além do imprescindível saber popular, que não é anticientífico, é preciso recorrer a uma análise científica e profissional, sem esperar, entretanto, que as ciências sejam capazes de explicar tudo o que se passa nas cidades”, sublinha Brighenti.

Segundo a doutora em geografia, Maria Adélia Aparecida de Souza, é difícil falar da Pastoral Urbana, apenas estudando e agindo na cidade. “O modo de vida urbano, hoje, invadiu o campo, ou seja, esse mundo tornou-se totalmente dependente do movo de vida e de relações urbanas, possibilitado pela acessibilidade de todos aos objetos técnicos disponíveis”, lembra a professora.

Adélia explicou o que se deve entender por territorialidade. “O território usado é condição da existência e não atributo da ‘coisa’”, explicou. “Território usado, espaço banal, é espaço de todos os homens e mulheres, de todas as instituições e de todas as organizações”, completou.

Padre Moneol Godoy, que aprofundou a territorialidade do ponto de vista teológico, concorda com Adélia. “Territorialidade, em termos de pastoral urbana, não se identifica com espaço. Ela é este, porém, revestido das dimensões políticas, humanas, afetivas, culturais engendradas por um segmento da sociedade. Entendemos que territorialidade é o espaço já identificado com um determinado sistema de vida”, aponta.

A teóloga Lúcia Pedrosa-Pádua analisou a categoria da subjetividade e a autonomia sob o ponto de vista teológico. “A subjetividade-autonomia é valorizada dentro da própria reflexão teológica cristã. Nesta, o sujeito é chamado a se desenvolver como pessoa – sujeito livre, responsável e capaz de amar”, disse a teóloga. “Devemos aprofundar nas formas de desenvolvimento de uma subjetividade aberta: que reconhece o outro em sua dignidade e singularidade de pessoa, que respeita o ambiente e que se abre a Deus enquanto Outro, e não como projeção das necessidades e interesses próprios”, acrescentou.

Na perspectiva pastoral, as novas formas de sociabilidade e exclusão foram analisadas pelo padre Alfredo José Gonçalves, mais conhecido como padre Alfredinho.

“O mundo urbano ajunta e separa; facilmente cria muros. O que mais existe no mundo urbano são muros e segurança”, disse padre Alfredinho. Ele alertou para que esta separação não ocorra também na Igreja.

0 comentários:

SUPLEMENTO

Edição 47