LEIA A BÍBLIA

ORATÓRIO

ORATÓRIO
Acenda uma vela

SIGA-NOS

twitter

MARCADORES

RIODEJANEIRO SANTOS NOTÍCIAS VATICANO ARTIGOS LONDRINA VICENTINOS FAMÍLIA JMJ MEMÓRIA BEATIFICAÇÃO HOMILIAS ECUMENISMO Formação POLÍTICA SAÚDE MÚSICOS CNBB ECONOMIA Pe.REGINALDO CINEMA CAMPANHAS EUA ESPIRITUALIDADE MINASGERAIS PASTORAIS SÃOPAULO ABORTO CANÇÃONOVA LIVROS ORAÇÕES CURITIBA JUVENTUDE MARINGÁ MISSÕES POLÍCIA PORTUGAL EXORCISMO COMUNICAÇÃO MULHER Testemunho Entrevista INTERNACIONAL JUNDIAÍ VOCAÇÕES MUDABRASIL FUTEBOL MENSAGENS Pe.ZEZINHO UNIVERSITÁRIOS DireitosHumanos EUCARISTIA APOLOGÉTICA DENÚNCIA TEOLOGIA HUMOR INTERNET MILAGRES BÍBLIA ECOLOGIA CANONIZAÇÃO CASAMENTOS NAMORO APARECIDA EDUCAÇÃO MOVIMENTOS PASTCRIANÇA ANCHIETA CIMI CIÊNCIA CORRUPÇÃO ESPORTE POESIAS Rio+20 SALVADOR SANTAMARIA TURISMO VATICANOII APOSENTADOS CRIANÇAS EVANGELIZAÇÃO FINADOS INFANTIL IRMÃDULCE PALOTINOS ADVOCACIA AGRICULTURA CARNAVAL PORTOALEGRE PSICOLOGIA TEATRO AMAZONAS BENFEITORES BRASÍLIA COMEMORAÇÕES CRÔNICAS DEMOCRACIA DIREITOS DOCUMENTÁRIO FOCOLARES FORTALEZA MEIOAMBIENTE MUTICOM PARANAGUÁ PUBLICIDADE QUARESMA SEXUALIDADE XAVERIANOS ÁFRICA ÁGUAS ANÔNIMOS APUCARANA CAMPINAS COMUNICADOS CONFISSÃO CristoRedentor CÁRITAS DEFICIENTES DEPRESSÃO FLORIANÓPOLIS FOTODIGITAL INGLATERRA OpusDei PARAGUAI POBREZA SANTOANTÔNIO TERRORISMO ANIVERSÁRIO APARIÇÕES ARGENTINA CEBs CIDADANIA CLARETIANOS IDOSOS ISLAMISMO JERUSALÉM JOÃOPAULOII JUSTIÇA LITERATURA MANAUS PARANÁ PARÓQUIAS PAULINAS PENSAMENTOS REDEVIDA RESSURREIÇÃO SANTUÁRIOS SOLIDARIEDADE UMUARAMA  NOTÍCIAS ADOÇÃO ATEÍSMO AUTOESTIMA BAIXOCLERO CANTORES CATEQUESE COOPERATIVISMO CORPUSCHRISTI CÉLULAS DOCUMENTOS DOUTRINASOCIAL ESCÂNDALO ESTATÍSTICA FILOSOFIA GASTRONOMIA GotasBíblicas MARISTAS MEDITAÇÃO MESTERS MIGRANTES MOTIVAÇÃO MÉXICO NSGUADALUPE PECADO PEDOFILIA PadreChrystian RELIGIOSOS RENOVAÇÃO SUDÁRIO SãoFreiGalvão TABAGISMO TERRASANTA UNIDADE VIOLÊNCIA BEATIFICAÇÃO ACONSELHAMENTO ADORAÇÃO ANTICRISTO APAEs APOSTAS APOSTASIA ARMÊNIA AUTOCURA AVAAZ BATIZADOS BEAGÁ BIOGRAFIAS CHILE CHINA CIRCO COLÔMBIA CONSAGRAÇÃO CONVERSÃO CÍRCULOS DEBATE DEMOGRAFIA EMPRESAS ESPANHA EUROPA EVANGELISMO Especial FOZDOIGUAÇU FREIBETTO FREIDAMIÃO FRUTAS FÁTIMA GOIÂNIA GREVE GruposBíblicos HOMENAGENS IDEIAS IMPEACHMENT JESUITAS JOINVILLE LITURGIA LOURDES MARANHÃO MATOGROSSO MISERICÓRDIA MSM NÔMADES OAnônimo ONGs P.CARCERÁRIA PADROEIRA PATERNIDADE PAULOFREIRE PERFIL PERNAMBUCO PETRÓPOLIS PHN PIAUÍ POLIGAMIA PORNOGRAFIA PPI PROFISSÕES PROMESSAS PROSPERIDADE Pe.FÁBIOdeMELO Pe.PauloRicardo Prof.MARINS REDEGLOBO RELÍQUIAS RONDÔNIA RUSSIA SACRILÉGIO SANTACATARINA SANTAMISSA SANTAPAULINA SANTOANDRÉ SEGURANÇA SOBRIEDADE SOROCABA SÍNODO Século21 TAUBATÉ TECNOLOGIA TERCEIROSETOR TURQUIA UNESCO VIDANIMAL ZUMBI

Como agir com sabedoria e bom senso


Dom Orlando Brandes

       Descobrir e aceitar nossos pontos fracos é sabedoria e bom senso. Nossas feridas são também chance de autoconhecimento e de compaixão com todos os feridos da terra. Quais são as cinco repressões mais comuns? Além das repressões sociais temos outras em nível pessoal. Vejamos.

1- A repressão da agressividade. Não sabemos lidar adequadamente com a raiva, a agressividade, a irritação e a impaciência. Às vezes gritamos, outras vezes reprimimos estas emoções que depois elas explodem. Ter raiva não é uma culpa, é uma emoção. Não explodir e não reprimir a raiva exige então compreender os outros, admitir nossas fraquezas e usar o desabafo, o diálogo, a oração, o esporte como sublimação.

       2- Repressão da sexualidade. Outro impulso forte é o desejo sexual, o prazer, a pulsão instintiva. Extravasar na liberação total nos desagrega, mas reprimir também não é saudável. Temos outros caminhos: a sublimação na religião, na arte, na cultura. Buscar outros prazeres e alegrias, realizar-se no bem, na doação de si. O perdão, a oração, o altruísmo, a arte, o esporte, resolvem muito problemas de sexo. O remédio principal está em saber receber e dar afeto.

       3- Repressão do feminino. Tanto homens como mulheres sofremos a dificuldade de lidar com lado feminino que é ternura, o afeto, a doçura, a simpatia, a jovialidade, a gratidão, como também desabafar emoções, falar sentimentos, chorar, aceitar os elogios, receber e dar carinho, nem sempre é fácil. Sofremos com o machismo, a rigidez, o fechamento e efeminações porque não sabemos lidar com nosso lado materno, cordial e feminino que é onipresente. Afetividade e sentimentos precisam ser aceitos e ordenados.

       4- Repressão da criatividade. Cada um de nós é original, único, indivíduo. Temos dons, qualidades, originalidades, mas a tendência para baixa estima, negativismo, embotamento de nossa originalidade, criatividade, potencialidade é constante. Costumamos dizer: "Deixa para lá, os outros fazem bem melhor, não adianta, pois eu sou assim mesmo". Reprimimos soluções, dons, criatividades. Escondemos a luz que está em nós. Nada melhor que a positividade, a autoaceitação, a consciência de nossa missão e a autoestima.

       5- Repressão da espiritualidade. Aos poucos vamos deixando de rezar, temos medo de ser diferentes dos outros, imitamos os maus exemplos para não sermos criticados, abandonamos nossa religiosidade, nossa fé, nossa religião e reprimimos nossa vida interior, mística, espiritual. Reprimir o desejo e a saudade de Deus que está em nós é adoecer. Sufocar a espiritualidade, a transcendência, leva-nos a optar pelo barulho, ativismo, álcool, sexo, droga para espantar a solidão e o vazio interior. Outros caem no misticismo barato.

       Pagamos alto preço pela repressão de algo tão natural a nós: a alma, o espírito, a morte, Deus, a oração, o sentido da vida. Neste assunto, o caminho da cura é voltar a Deus e à espiritualidade.

       Nossas repressões mal trabalhadas estimulam excessos em nossas vidas. De um lado, o excesso da permissividade, do liberalismo, do erotismo como compensação. O excesso oposto, constitui em vivermos protegidos pela couraça do moralismo, do medo, do misticismo exacerbado. Não é fácil trabalhar, curar, ordenar nosso "ego" muitas vezes ferido.

        Necessitamos de humildade e realismo para procurar e aceitar ajuda e assim conquistar a paz, o equilíbrio, o bom senso, a liberdade com responsabilidade. Diálogo, terapia, boas amizades, direção espiritual, leituras são portas de libertação.

Dom Orlando Brandes, arcebispo de Londrina
Fonte: www.folhaweb.com.br

0 comentários:

SUPLEMENTO

Edição 47