LEIA A BÍBLIA

ORATÓRIO

ORATÓRIO
Acenda uma vela

SIGA-NOS

twitter

MARCADORES

RIODEJANEIRO SANTOS NOTÍCIAS VATICANO ARTIGOS LONDRINA VICENTINOS FAMÍLIA JMJ MEMÓRIA BEATIFICAÇÃO HOMILIAS ECUMENISMO Formação POLÍTICA SAÚDE MÚSICOS CNBB ECONOMIA Pe.REGINALDO CINEMA CAMPANHAS EUA ESPIRITUALIDADE MINASGERAIS PASTORAIS SÃOPAULO ABORTO CANÇÃONOVA LIVROS ORAÇÕES CURITIBA JUVENTUDE MARINGÁ MISSÕES POLÍCIA PORTUGAL EXORCISMO COMUNICAÇÃO MULHER Testemunho Entrevista INTERNACIONAL JUNDIAÍ VOCAÇÕES MUDABRASIL FUTEBOL MENSAGENS Pe.ZEZINHO UNIVERSITÁRIOS DireitosHumanos EUCARISTIA APOLOGÉTICA DENÚNCIA TEOLOGIA HUMOR INTERNET MILAGRES BÍBLIA ECOLOGIA CANONIZAÇÃO CASAMENTOS NAMORO APARECIDA EDUCAÇÃO MOVIMENTOS PASTCRIANÇA ANCHIETA CIMI CIÊNCIA CORRUPÇÃO ESPORTE POESIAS Rio+20 SALVADOR SANTAMARIA TURISMO VATICANOII APOSENTADOS CRIANÇAS EVANGELIZAÇÃO FINADOS INFANTIL IRMÃDULCE PALOTINOS ADVOCACIA AGRICULTURA CARNAVAL PORTOALEGRE PSICOLOGIA TEATRO AMAZONAS BENFEITORES BRASÍLIA COMEMORAÇÕES CRÔNICAS DEMOCRACIA DIREITOS DOCUMENTÁRIO FOCOLARES FORTALEZA MEIOAMBIENTE MUTICOM PARANAGUÁ PUBLICIDADE QUARESMA SEXUALIDADE XAVERIANOS ÁFRICA ÁGUAS ANÔNIMOS APUCARANA CAMPINAS COMUNICADOS CONFISSÃO CristoRedentor CÁRITAS DEFICIENTES DEPRESSÃO FLORIANÓPOLIS FOTODIGITAL INGLATERRA OpusDei PARAGUAI POBREZA SANTOANTÔNIO TERRORISMO ANIVERSÁRIO APARIÇÕES ARGENTINA CEBs CIDADANIA CLARETIANOS IDOSOS ISLAMISMO JERUSALÉM JOÃOPAULOII JUSTIÇA LITERATURA MANAUS PARANÁ PARÓQUIAS PAULINAS PENSAMENTOS REDEVIDA RESSURREIÇÃO SANTUÁRIOS SOLIDARIEDADE UMUARAMA  NOTÍCIAS ADOÇÃO ATEÍSMO AUTOESTIMA BAIXOCLERO CANTORES CATEQUESE COOPERATIVISMO CORPUSCHRISTI CÉLULAS DOCUMENTOS DOUTRINASOCIAL ESCÂNDALO ESTATÍSTICA FILOSOFIA GASTRONOMIA GotasBíblicas MARISTAS MEDITAÇÃO MESTERS MIGRANTES MOTIVAÇÃO MÉXICO NSGUADALUPE PECADO PEDOFILIA PadreChrystian RELIGIOSOS RENOVAÇÃO SUDÁRIO SãoFreiGalvão TABAGISMO TERRASANTA UNIDADE VIOLÊNCIA BEATIFICAÇÃO ACONSELHAMENTO ADORAÇÃO ANTICRISTO APAEs APOSTAS APOSTASIA ARMÊNIA AUTOCURA AVAAZ BATIZADOS BEAGÁ BIOGRAFIAS CHILE CHINA CIRCO COLÔMBIA CONSAGRAÇÃO CONVERSÃO CÍRCULOS DEBATE DEMOGRAFIA EMPRESAS ESPANHA EUROPA EVANGELISMO Especial FOZDOIGUAÇU FREIBETTO FREIDAMIÃO FRUTAS FÁTIMA GOIÂNIA GREVE GruposBíblicos HOMENAGENS IDEIAS IMPEACHMENT JESUITAS JOINVILLE LITURGIA LOURDES MARANHÃO MATOGROSSO MISERICÓRDIA MSM NÔMADES OAnônimo ONGs P.CARCERÁRIA PADROEIRA PATERNIDADE PAULOFREIRE PERFIL PERNAMBUCO PETRÓPOLIS PHN PIAUÍ POLIGAMIA PORNOGRAFIA PPI PROFISSÕES PROMESSAS PROSPERIDADE Pe.FÁBIOdeMELO Pe.PauloRicardo Prof.MARINS REDEGLOBO RELÍQUIAS RONDÔNIA RUSSIA SACRILÉGIO SANTACATARINA SANTAMISSA SANTAPAULINA SANTOANDRÉ SEGURANÇA SOBRIEDADE SOROCABA SÍNODO Século21 TAUBATÉ TECNOLOGIA TERCEIROSETOR TURQUIA UNESCO VIDANIMAL ZUMBI

Os magos e o sentido especial no Ano da Fé


Veja o vídeo e leia o artigo de Dom Orlando Brandes:
       A festa da epifania, ou seja, da manifestação de Jesus aos pagãos e a todos os povos através dos magos, tem um sentido especial no Ano da Fé. A trajetória dos magos coincide com o caminho da fé. Eles saem do Oriente, colam-se à procura, percorrem estradas, realizam um êxodo externo e interno. Sentem atração, admiração e deixam-se cativar pela estrela. Esta é a porta da fé, ou seja, colar-se à procura, abrir o coração, desejar o encontro, caminhar na direção, fazer-se peregrino.

       Em Jerusalém, eles perguntam pelo rei dos judeus que acaba de nascer. Perguntam, buscam ajuda e orientação, indagam querendo saber o caminho. Assim é a fé. Exige estudo, ciência, reflexão, informação. As dúvidas precisam ser dirimidas, pois a fé não é ainda a visão, pelo contrário, é peregrinação, interrogação, obscuridade, penumbra que precisa de compreensão. Compreender para crer e crer para compreender, são verdades complementares.

       No caminho os magos perdem o contato com a luz da estrela. Fazem a experiência das trevas, entram na noite escura, passam pela provação. Assim é a estrada da fé. É preciso procurar mesmo na escuridão, entrar nas trevas, passar pela noite esperando pela aurora. Não desistir diante dos obstáculos. Depois da noite da provação, a luz da estrela reaparece. Eles retomam o caminho, recomeçam, continuam a peregrinar, mas, agora, com mais luz, mais certeza, mais segurança. Após a noite vem o dia ensolarado da fé. Após a provação vem a alegria profunda e consoladora. No caminho da fé passamos pelas tribulações do mundo e as consolações de Deus. Fé e alegria são gêmeas. "Feliz és tu que acreditaste" (cf Lc. 1,45).

       Chegando a Belém, eles realizam ulteriores passos da fé. Primeiro, entram na casa, no estábulo, na gruta. Fé é entrar pela porta que é Cristo. É preciso entrar, decidir, optar, dar o assentimento da mente e da vontade. Fé é querer, dar o sim, entregar-se, entrar no mistério. Tendo entrado, acharam o Menino com Maria, sua mãe. Estamos aqui no ápice da fé, encontrar-se com Jesus Cristo, fazer uma experiência pessoal, viva, decisiva, persuasiva com um tu, um outro, um alguém que nos ama. Onde acontece o encontro, o relacionamento, a comunicação interpessoal, explode a fé.

       Em seguida, os magos se prostram diante do Menino e o adoram. A fé se manifesta em gestos de oração, de celebração, de comunhão. Prostrar-se e adorar significa a confissão de fé, a manifestação do credo, a oblação de si a Deus. A fé é professada, celebrada, vivida e rezada. É abandonar-se nas mãos de Deus. Os magos no presépio tornam pública a sua fé.

       Logo a seguir eles abrem seus tesouros porque antes tinham aberto seu coração. Acontece uma troca de presentes. Eles foram enriquecidos com a luz da fé e se despojaram de seus bens materiais, fazem um gesto de solidariedade, de amizade, de congratulação.

       A fé é um tesouro e por outro lado, a fé se manifesta no amor, nas boas obras, nos gestos fraternos. Os magos são avisados em sonho a respeito de sua volta para casa. Deus se revela também nos sonhos. A fé é inspiração, revelação, diálogo, intimidade entre o homem e Deus nos acontecimentos da vida. Os magos alcançaram a conaturalidade da fé.

       Por fim, voltam por outro caminho, deixam a magia, saíram de si, de seus esquemas e certezas e seguem por outro caminho. A fé nos leva ao "outro" e aos outros e nos proporciona novos caminhos, novos horizontes, novos sentimentos, nova personalidade, na verdade, um "novo eu". A experiência da fé muda o coração, os critérios, a mentalidade e abre novos caminhos.

Dom Orlando Brandes, arcebispo de Londrina

0 comentários:

SUPLEMENTO

Edição 47