LEIA A BÍBLIA

ORATÓRIO

ORATÓRIO
Acenda uma vela

SIGA-NOS

twitter

MARCADORES

RIODEJANEIRO SANTOS NOTÍCIAS VATICANO ARTIGOS LONDRINA VICENTINOS FAMÍLIA JMJ MEMÓRIA BEATIFICAÇÃO HOMILIAS ECUMENISMO Formação POLÍTICA SAÚDE MÚSICOS CNBB ECONOMIA Pe.REGINALDO CINEMA CAMPANHAS EUA ESPIRITUALIDADE MINASGERAIS PASTORAIS SÃOPAULO ABORTO CANÇÃONOVA LIVROS ORAÇÕES CURITIBA JUVENTUDE MARINGÁ MISSÕES POLÍCIA PORTUGAL EXORCISMO COMUNICAÇÃO MULHER Testemunho Entrevista INTERNACIONAL JUNDIAÍ VOCAÇÕES MUDABRASIL FUTEBOL MENSAGENS Pe.ZEZINHO UNIVERSITÁRIOS DireitosHumanos EUCARISTIA APOLOGÉTICA DENÚNCIA TEOLOGIA HUMOR INTERNET MILAGRES BÍBLIA ECOLOGIA CANONIZAÇÃO NAMORO APARECIDA CASAMENTOS CORRUPÇÃO EDUCAÇÃO MOVIMENTOS PASTCRIANÇA ANCHIETA CIMI CIÊNCIA ESPORTE POESIAS Rio+20 SALVADOR SANTAMARIA TURISMO VATICANOII APOSENTADOS CRIANÇAS EVANGELIZAÇÃO FINADOS INFANTIL IRMÃDULCE PALOTINOS ADVOCACIA AGRICULTURA CARNAVAL PORTOALEGRE PSICOLOGIA TEATRO AMAZONAS BENFEITORES BRASÍLIA COMEMORAÇÕES COMUNICADOS CRÔNICAS DEMOCRACIA DIREITOS DOCUMENTÁRIO FOCOLARES FORTALEZA MEIOAMBIENTE MUTICOM PARANAGUÁ POBREZA PUBLICIDADE QUARESMA SEXUALIDADE XAVERIANOS ÁFRICA ÁGUAS ANÔNIMOS APUCARANA CAMPINAS CEBs CONFISSÃO CristoRedentor CÁRITAS DEFICIENTES DEPRESSÃO FLORIANÓPOLIS FOTODIGITAL INGLATERRA OpusDei PARAGUAI SANTOANTÔNIO SANTUÁRIOS TERRORISMO ANIVERSÁRIO APARIÇÕES ARGENTINA CIDADANIA CLARETIANOS IDOSOS ISLAMISMO JERUSALÉM JOÃOPAULOII JUSTIÇA LITERATURA MANAUS PARANÁ PARÓQUIAS PAULINAS PENSAMENTOS REDEVIDA RESSURREIÇÃO SOLIDARIEDADE UMUARAMA UNIDADE  NOTÍCIAS ADOÇÃO ATEÍSMO AUTOESTIMA BAIXOCLERO CANTORES CATEQUESE COOPERATIVISMO CORPUSCHRISTI CÉLULAS DOCUMENTOS DOUTRINASOCIAL ESCÂNDALO ESTATÍSTICA FILOSOFIA GASTRONOMIA GotasBíblicas HOMENAGENS MARISTAS MEDITAÇÃO MESTERS MIGRANTES MOTIVAÇÃO MÉXICO NSGUADALUPE PECADO PEDOFILIA PadreChrystian RELIGIOSOS RENOVAÇÃO SUDÁRIO SãoFreiGalvão TABAGISMO TERRASANTA VIOLÊNCIA BEATIFICAÇÃO ACONSELHAMENTO ADORAÇÃO ANTICRISTO APAEs APOSTAS APOSTASIA ARMÊNIA AUTOCURA AVAAZ BATIZADOS BEAGÁ BIOGRAFIAS CHILE CHINA CIRCO COLÔMBIA CONSAGRAÇÃO CONVERSÃO CÍRCULOS DEBATE DEMOGRAFIA EMPRESAS ESPANHA EUROPA EVANGELISMO Especial FOZDOIGUAÇU FREIBETTO FREIDAMIÃO FRUTAS FÁTIMA GOIÂNIA GREVE GruposBíblicos IDEIAS IMPEACHMENT JESUITAS JOINVILLE LITURGIA LOURDES MARANHÃO MATOGROSSO MISERICÓRDIA MSM NÔMADES OAnônimo ONGs P.CARCERÁRIA PADROEIRA PATERNIDADE PAULOFREIRE PERFIL PERNAMBUCO PETRÓPOLIS PHN PIAUÍ POLIGAMIA PORNOGRAFIA PPI PROFISSÕES PROMESSAS PROSPERIDADE Pe.FÁBIOdeMELO Pe.PauloRicardo Prof.MARINS REDEGLOBO RELÍQUIAS RONDÔNIA RUSSIA SACRILÉGIO SANTACATARINA SANTAMISSA SANTAPAULINA SANTOANDRÉ SEGURANÇA SOBRIEDADE SOROCABA SÍNODO Século21 TAUBATÉ TECNOLOGIA TERCEIROSETOR TURQUIA UNESCO VIDANIMAL ZUMBI

Família: lugar da esperança


Leia o artigo do Cardeal Orani João Tempesta:
    O tema família tem sido objeto de aprofundamento na caminhada da Igreja nestes tempos. No consistório de fevereiro do ano passado, na Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos em outubro passado, e será o assunto do Sínodo Ordinário em outubro próximo. As discussões e os temas afins foram amplamente comentados pela mídia. A Igreja foi consultada sobre o tema no ano passado e está sendo consultada neste ano para ajudar na reflexão atual.

    Em nossa Arquidiocese, o tema da esperança tem sido aprofundado e é o “pano de fundo” de nossas atividades, especialmente do trabalho missionário. Temos convicção de que tudo isso nos ajudará a construir a “paz” em nosso país, neste ano proclamado pela CNBB como Ano da Paz. Também seremos ajudados sobre o tema da Campanha da Fraternidade – sobre Igreja e Sociedade – com a certeza de que nós somos chamados a “servir” como veio o Senhor Jesus fazer entre nós.

    Por isso, falar de família e de esperança se insere neste contexto de aprofundamento destes temas e que tem repercussão não só no interno da Igreja, mas esperamos que famílias cristãs sejam cada vez mais “fermento no meio da massa” de uma proposta que realmente resgata a dignidade humana e o verdadeiro sentido para a vida humana.

    Em nossos dias, num mundo que se tornou estranho e até hostil à fé, as famílias cristãs são de importância primordial. O lar cristão é o lugar em que os filhos recebem o primeiro anúncio da fé. Esse assunto o Papa aprofundou no tema para o Dia Mundial das Comunicações deste ano, quando recorda que desde o ventre materno começa a comunicação. O Concílio Vaticano II, cujo cinquentenário de conclusão comemoramos neste ano, chama a família, usando uma antiga expressão, de “Igreja doméstica”. É no seio da família que os pais são para os filhos, pela palavra e pelo exemplo, os primeiros mestres da fé. “Na família é, sobretudo, a capacidade de se abraçar, apoiar, acompanhar, decifrar olhares e silêncios, rir e chorar juntos, entre pessoas que não se escolheram e, todavia, são tão importantes uma para a outra… é, sobretudo, esta capacidade que nos faz compreender o que é verdadeiramente a comunicação enquanto descoberta e construção de proximidade”, disse o Papa na mensagem mencionada acima.

    Sabemos que o lar é a primeira escola do mundo e da vida cristã. É uma escola de enriquecimento humano. Segundo o Catecismo da Igreja Católica, “a família cristã é uma comunhão de pessoas, vestígio e imagem da comunhão do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (n. 2205).

    Deus quis que a atividade educadora e criadora da família fosse o reflexo da obra. O casal que constitui uma família está participando com o Pai na criação do mundo. A família é a célula originária da vida social. É a sociedade natural na qual o homem e a mulher são chamados ao dom de si no amor e no dom da vida.

    Podemos perceber, ao refletir sobre tudo isto, que a vivência do amor, da justiça, da solidariedade nasce na família para, depois, se expandir por toda sociedade. Para seguir o projeto de Deus, e, consequentemente, para vivermos a felicidade em plenitude, é preciso, aqui na Terra, aqui neste mundo que tanto tenta destruir a família cristã, que saibamos defendê-la por que ela é o esteio da sociedade e é nela que podemos cultivar, desde a mais tenra infância, a fé, a esperança e a caridade, virtudes que farão deste mundo um mundo melhor e que, com toda a certeza, nos levarão à glória do Pai. Somos chamados a fazer com audácia a proposta cristã de família como uma grande responsabilidade nossa e, ao mesmo tempo, com todo direito enquanto membros dessa sociedade.

    A família vive um projeto onde não deve jamais haver o "meu" ou o "teu", mas o "nosso". E isso só acontece porque nela se vive o amor. Este amor nasce de uma profunda admiração pela pessoa do outro, na certeza de que só se é feliz quando se faz o outro feliz. Este amor faz com que a relação homem e mulher seja estável e duradoura. Casamento não é algo descartável. Essa ideia deve estar clara, principalmente na mente dos jovens, constantemente bombardeados pela televisão, revistas e novelas que os fazem acreditar que o casamento é coisa provisória. Parece que hoje pouco importa a realidade dos filhos neste tempo em que a infidelidade está na moda. Essa realidade desvirtuada sobre casamento, infelizmente faz com que casais acabem se machucando pela vida e pelos problemas que aparecem na convivência do dia a dia. Eis a nossa grande responsabilidade de educar os jovens nos valores cristãos, e a importância do testemunho de casais felizes nessa sociedade hodierna.

    Sobre a ideia enganosa de casamento: nós, cristãos, temos a oferecer ao mundo como modelo a "família cristã", a exemplo da Sagrada Família de Nazaré. A família cristã é a união de pessoas batizadas. Pessoas ao mesmo tempo santas e pecadoras em processo de santificação, e que procuram viver da fé em Jesus. É no seio dessa família cristã que os filhos descobrem Deus e, principalmente, que Deus é "Amor".

    A família cristã é o espaço de vivência do Evangelho: pois dentro dela os filhos aprendem a conhecer a Palavra de Deus: aprendem a rezar, a partilhar e a perdoar. Pais e mães cristãos têm consciência de que são os primeiros educadores de seus filhos na fé, e sabem que não podem delegar a tarefa da educação religiosa nem só para o padre e nem só para o catequista. Na mensagem, como lembrada acima, disse o Papa Francisco: “A experiência do vínculo que nos «precede» faz com que a família seja também o contexto onde se transmite aquela forma fundamental de comunicação, que é a oração.

    Muitas vezes, ao adormecerem os filhos recém-nascidos, a mãe e o pai entregam-nos a Deus para que vele por eles; e, quando se tornam um pouco maiores, põem-se a recitar, juntamente com eles, orações simples, recordando carinhosamente outras pessoas: os avós, outros parentes, os doentes e atribulados, todos aqueles que mais precisam da ajuda de Deus”.

    A família também não pode se fechar sobre si mesma! Pais, mães e filhos devem “sair fora” dos limites de seus lares para santificar seus vizinhos, sua rua, seu bairro. Participar de suas comunidades paroquiais para, junto com outras famílias, mudar estruturas, corações e mentalidades. Colaborar, em última análise, na implantação do Reino de Deus na terra.

    A Igreja tem um papel capital onde se encontra, quer seja no bairro, na cidade, vila, paróquia, diocese ou nas culturas onde está inserida. A família é uma manifestação local, corporal, da comunhão eclesial. O Vaticano II diz que a família é “o santuário da Igreja em casa” (AA 11). O amor da Igreja pela humanidade, na missão de Cristo, transparece nesta comunhão de pessoas.

    A família semeia esperança dentro do lar e é semeadora da mesma para fora, para a sociedade que necessita arejar os ambientes com os valores do respeito, da vida, da fé e da paz. Ainda citando o Papa Francisco: “A família mais bela, protagonista e não problema, é aquela que, partindo do testemunho, sabe comunicar a beleza e a riqueza do relacionamento entre o homem e a mulher, entre pais e filhos. Não lutemos para defender o passado, mas trabalhemos com paciência e confiança, em todos os ambientes onde diariamente nos encontramos, para construir o futuro”.




Cardeal Orani João Tempesta
Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro (RJ)

0 comentários:

SUPLEMENTO

Edição 47