LEIA A BÍBLIA

ORATÓRIO

ORATÓRIO
Acenda uma vela

SIGA-NOS

twitter

MARCADORES

RIODEJANEIRO SANTOS NOTÍCIAS VATICANO ARTIGOS LONDRINA VICENTINOS FAMÍLIA JMJ MEMÓRIA BEATIFICAÇÃO HOMILIAS ECUMENISMO Formação POLÍTICA SAÚDE MÚSICOS CNBB ECONOMIA Pe.REGINALDO CINEMA CAMPANHAS EUA ESPIRITUALIDADE MINASGERAIS PASTORAIS SÃOPAULO ABORTO CANÇÃONOVA LIVROS ORAÇÕES CURITIBA JUVENTUDE MARINGÁ MISSÕES POLÍCIA PORTUGAL EXORCISMO COMUNICAÇÃO MULHER Testemunho Entrevista INTERNACIONAL JUNDIAÍ VOCAÇÕES MUDABRASIL FUTEBOL MENSAGENS Pe.ZEZINHO UNIVERSITÁRIOS DireitosHumanos EUCARISTIA APOLOGÉTICA DENÚNCIA TEOLOGIA HUMOR INTERNET MILAGRES BÍBLIA ECOLOGIA CANONIZAÇÃO NAMORO APARECIDA CASAMENTOS CORRUPÇÃO EDUCAÇÃO MOVIMENTOS PASTCRIANÇA ANCHIETA CIMI CIÊNCIA ESPORTE POESIAS Rio+20 SALVADOR SANTAMARIA TURISMO VATICANOII APOSENTADOS CRIANÇAS EVANGELIZAÇÃO FINADOS INFANTIL IRMÃDULCE PALOTINOS ADVOCACIA AGRICULTURA CARNAVAL PORTOALEGRE PSICOLOGIA TEATRO AMAZONAS BENFEITORES BRASÍLIA COMEMORAÇÕES COMUNICADOS CRÔNICAS DEMOCRACIA DIREITOS DOCUMENTÁRIO FOCOLARES FORTALEZA MEIOAMBIENTE MUTICOM PARANAGUÁ POBREZA PUBLICIDADE QUARESMA SEXUALIDADE XAVERIANOS ÁFRICA ÁGUAS ANÔNIMOS APUCARANA CAMPINAS CEBs CONFISSÃO CristoRedentor CÁRITAS DEFICIENTES DEPRESSÃO FLORIANÓPOLIS FOTODIGITAL INGLATERRA OpusDei PARAGUAI SANTOANTÔNIO SANTUÁRIOS TERRORISMO ANIVERSÁRIO APARIÇÕES ARGENTINA CIDADANIA CLARETIANOS IDOSOS ISLAMISMO JERUSALÉM JOÃOPAULOII JUSTIÇA LITERATURA MANAUS PARANÁ PARÓQUIAS PAULINAS PENSAMENTOS REDEVIDA RESSURREIÇÃO SOLIDARIEDADE UMUARAMA UNIDADE  NOTÍCIAS ADOÇÃO ATEÍSMO AUTOESTIMA BAIXOCLERO CANTORES CATEQUESE COOPERATIVISMO CORPUSCHRISTI CÉLULAS DOCUMENTOS DOUTRINASOCIAL ESCÂNDALO ESTATÍSTICA Especial FILOSOFIA GASTRONOMIA GotasBíblicas HOMENAGENS MARISTAS MEDITAÇÃO MESTERS MIGRANTES MOTIVAÇÃO MÉXICO NSGUADALUPE PECADO PEDOFILIA PadreChrystian RELIGIOSOS RENOVAÇÃO SUDÁRIO SãoFreiGalvão TABAGISMO TERRASANTA VIOLÊNCIA BEATIFICAÇÃO ACONSELHAMENTO ADORAÇÃO ANTICRISTO APAEs APOSTAS APOSTASIA ARMÊNIA AUTOCURA AVAAZ BATIZADOS BEAGÁ BIOGRAFIAS CHILE CHINA CIRCO COLÔMBIA CONSAGRAÇÃO CONVERSÃO CÍRCULOS DEBATE DEMOGRAFIA EMPRESAS ESPANHA EUROPA EVANGELISMO FOZDOIGUAÇU FREIBETTO FREIDAMIÃO FRUTAS FÁTIMA GOIÂNIA GREVE GruposBíblicos IDEIAS IMPEACHMENT JESUITAS JOINVILLE LITURGIA LOURDES MARANHÃO MATOGROSSO MISERICÓRDIA MSM NÔMADES OAnônimo ONGs P.CARCERÁRIA PADROEIRA PATERNIDADE PAULOFREIRE PERFIL PERNAMBUCO PETRÓPOLIS PHN PIAUÍ POLIGAMIA PORNOGRAFIA PPI PROFISSÕES PROMESSAS PROSPERIDADE Pe.FÁBIOdeMELO Pe.PauloRicardo Prof.MARINS REDEGLOBO RELÍQUIAS RONDÔNIA RUSSIA SACRILÉGIO SANTACATARINA SANTAMISSA SANTAPAULINA SANTOANDRÉ SEGURANÇA SOBRIEDADE SOROCABA SÍNODO Século21 TAUBATÉ TECNOLOGIA TERCEIROSETOR TURQUIA UNESCO VIDANIMAL ZUMBI

No reverso das crises existe um remédio para curar a doença da corrupção


Leia o artigo de Dom Walmor Oliveira de Azevedo:
    No reverso das crises estão lições importantes que precisam ser aprendidas e praticadas. A sociedade brasileira sofre com um elenco de crises. Entre elas, está a hídrica, provocada por falta de chuvas e por inadequado tratamento do meio ambiente; a crise econômica, por consequência de se seguir apenas os princípios das leis do mercado; a crise ética, com o conhecimento público de esquemas bilionários de corrupção e desrespeitos ao erário; a crise do compromisso comunitário, apontada pelo Papa Francisco na sua Exortação Apostólica Alegria do Evangelho; a crise moral, ancorada nos relativismos, no individualismo e em um entendimento estreito de liberdade, autonomia e bem-estar. Sem exagerar, convive-se com um verdadeiro caldeirão de crises.

    Apesar do peso e do enorme desafio, no horizonte está a oportunidade singular de aprendizagem e de adoção de práticas que permitam alcançar dinâmicas mais saudáveis, capazes de recuperar o tecido social. Lições precisam ser aprendidas, retomadas e praticadas na tarefa ingente de conduzir a vida privada e cidadã; construir, diariamente, a sociedade. Não são, necessariamente, lições de alta complexidade, pois partem de princípios éticos e morais muito simples, mas com incidência transformadora. São capazes de reverter os processos e vivências que deterioram instituições, culturas, e retardam, ou mesmo inviabilizam, a construção de uma sociedade igualitária.

    Impressiona, entre outras dimensões, o crescimento da violência, com estatísticas que causam horror. Não se trata apenas da criminalidade que ocorre nas ruas, mas também a praticada no recôndito dos lares e inclui as perpetradas contra o bem comum, com prejuízos, especialmente, para os mais pobres. É uma urgência partilhar esse quadro desafiador composto pelas crises para que se forme um juízo a respeito dos processos que estão prejudicando a convivência social. As mudanças necessárias não são pontuais. Torna-se imprescindível buscar novas dinâmicas capazes de conduzir a sociedade rumo às práticas éticas e morais que são caminho para a necessária virada civilizatória contemporânea. Assim, será possível refletir e transformar cada instituição, grupos políticos, instâncias culturais e também confissões religiosas.

    Um primeiro passo importante é que cada pessoa reconheça o quadro de crises que afeta a sociedade brasileira. Assim será possível criar um grande movimento de despertar ético capaz de fecundar a consciência moral de todos. Neste sentido, não se pode poupar esforços, nem mesmo pelo temor de parecer alarmismo. A situação é muito grave e assim precisa ser percebida. Eventuais progressos e conquistas alcançadas não podem servir para camuflá-la. Antes de se adotar as providências de incidência transformadora - as reformas que a sociedade brasileira precisa - é preciso que cada cidadão compreenda e assuma a sua parte.

    A busca pela conduta honesta de todos não é apenas um aspecto a integrar a estratégia de um governo, mas dever de cada pessoa no cumprimento de suas tarefas. Precisa fundamentar as ações no contexto das famílias, das escolas, das confissões religiosas, dos segmentos todos, e na vivência da política. Superar as graves crises pode ser algo simples, um caminho natural, desde que todos partilhem um gosto, convicção e compromisso: ser honesto em tudo o que se fala, faz e constrói, no exercício de tarefas profissionais e cidadãs. Nesta direção, há também a necessidade de superar a medíocre prática de tentar se apresentar como “bom” ou “o melhor” a partir da estratégia de se destruir os outros.

    É o momento de derrubar as ameaças à vida social com uma grande onda formada pela alegria e o santo orgulho de ser honesto, um remédio para curar a doença da corrupção, dos relativismos, das disputas mesquinhas, da busca egoísta pela realização de interesses próprios com prejuízos para a coletividade.

    É hora de, humildemente, avaliar o quadro de crises para se alcançar lições, muitas, tantas delas, sem segredo de assimilação e prática. Lições que estão no reverso destas crises.



Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte (MG)

0 comentários:

SUPLEMENTO

Edição 47