LEIA A BÍBLIA

ORATÓRIO

ORATÓRIO
Acenda uma vela

SIGA-NOS

twitter

MARCADORES

RIODEJANEIRO SANTOS NOTÍCIAS VATICANO ARTIGOS LONDRINA VICENTINOS FAMÍLIA JMJ MEMÓRIA BEATIFICAÇÃO HOMILIAS ECUMENISMO Formação POLÍTICA SAÚDE MÚSICOS CNBB ECONOMIA Pe.REGINALDO CINEMA CAMPANHAS EUA ESPIRITUALIDADE MINASGERAIS PASTORAIS SÃOPAULO ABORTO CANÇÃONOVA LIVROS ORAÇÕES CURITIBA JUVENTUDE MARINGÁ MISSÕES POLÍCIA PORTUGAL EXORCISMO COMUNICAÇÃO MULHER Testemunho Entrevista INTERNACIONAL JUNDIAÍ VOCAÇÕES MUDABRASIL FUTEBOL MENSAGENS Pe.ZEZINHO UNIVERSITÁRIOS DireitosHumanos EUCARISTIA APOLOGÉTICA DENÚNCIA TEOLOGIA HUMOR INTERNET MILAGRES BÍBLIA ECOLOGIA CANONIZAÇÃO NAMORO APARECIDA CASAMENTOS CORRUPÇÃO EDUCAÇÃO MOVIMENTOS PASTCRIANÇA ANCHIETA CIMI CIÊNCIA ESPORTE POESIAS Rio+20 SALVADOR SANTAMARIA TURISMO VATICANOII APOSENTADOS CRIANÇAS EVANGELIZAÇÃO FINADOS INFANTIL IRMÃDULCE PALOTINOS ADVOCACIA AGRICULTURA CARNAVAL PORTOALEGRE PSICOLOGIA TEATRO AMAZONAS BENFEITORES BRASÍLIA COMEMORAÇÕES COMUNICADOS CRÔNICAS DEMOCRACIA DIREITOS DOCUMENTÁRIO FOCOLARES FORTALEZA MEIOAMBIENTE MUTICOM PARANAGUÁ POBREZA PUBLICIDADE QUARESMA SEXUALIDADE XAVERIANOS ÁFRICA ÁGUAS ANÔNIMOS APUCARANA CAMPINAS CEBs CONFISSÃO CristoRedentor CÁRITAS DEFICIENTES DEPRESSÃO FLORIANÓPOLIS FOTODIGITAL INGLATERRA OpusDei PARAGUAI SANTOANTÔNIO SANTUÁRIOS TERRORISMO ANIVERSÁRIO APARIÇÕES ARGENTINA CIDADANIA CLARETIANOS IDOSOS ISLAMISMO JERUSALÉM JOÃOPAULOII JUSTIÇA LITERATURA MANAUS PARANÁ PARÓQUIAS PAULINAS PENSAMENTOS REDEVIDA RESSURREIÇÃO SOLIDARIEDADE UMUARAMA UNIDADE  NOTÍCIAS ADOÇÃO ATEÍSMO AUTOESTIMA BAIXOCLERO CANTORES CATEQUESE COOPERATIVISMO CORPUSCHRISTI CÉLULAS DOCUMENTOS DOUTRINASOCIAL ESCÂNDALO ESTATÍSTICA Especial FILOSOFIA GASTRONOMIA GotasBíblicas HOMENAGENS MARISTAS MEDITAÇÃO MESTERS MIGRANTES MOTIVAÇÃO MÉXICO NSGUADALUPE PECADO PEDOFILIA PadreChrystian RELIGIOSOS RENOVAÇÃO SUDÁRIO SãoFreiGalvão TABAGISMO TERRASANTA VIOLÊNCIA BEATIFICAÇÃO ACONSELHAMENTO ADORAÇÃO ANTICRISTO APAEs APOSTAS APOSTASIA ARMÊNIA AUTOCURA AVAAZ BATIZADOS BEAGÁ BIOGRAFIAS CHILE CHINA CIRCO COLÔMBIA CONSAGRAÇÃO CONVERSÃO CÍRCULOS DEBATE DEMOGRAFIA EMPRESAS ESPANHA EUROPA EVANGELISMO FOZDOIGUAÇU FREIBETTO FREIDAMIÃO FRUTAS FÁTIMA GOIÂNIA GREVE GruposBíblicos IDEIAS IMPEACHMENT JESUITAS JOINVILLE LITURGIA LOURDES MARANHÃO MATOGROSSO MISERICÓRDIA MSM NÔMADES OAnônimo ONGs P.CARCERÁRIA PADROEIRA PATERNIDADE PAULOFREIRE PERFIL PERNAMBUCO PETRÓPOLIS PHN PIAUÍ POLIGAMIA PORNOGRAFIA PPI PROFISSÕES PROMESSAS PROSPERIDADE Pe.FÁBIOdeMELO Pe.PauloRicardo Prof.MARINS REDEGLOBO RELÍQUIAS RONDÔNIA RUSSIA SACRILÉGIO SANTACATARINA SANTAMISSA SANTAPAULINA SANTOANDRÉ SEGURANÇA SOBRIEDADE SOROCABA SÍNODO Século21 TAUBATÉ TECNOLOGIA TERCEIROSETOR TURQUIA UNESCO VIDANIMAL ZUMBI

A maldição dos dez anos, por Luiz Carlos Mendonça de Barros, ex-Ministro das Comunicações


    Não sou homem de acreditar em fantasmas e maldições, principalmente quando os assuntos são economia e, mesmo, política. Mas certos fatos reais muitas vezes nos deixam com a pulga atrás da orelha, como se dizia antigamente. Faz parte da cultura política das democracias modernas a observação de que é muito difícil que um período exitoso de um líder ultrapasse os dez anos. Apoiam este pensamento fatos concretos ocorridos em vários países, em vários momentos da história. Por isto, o mito dos dez anos é levado a sério por muitos analistas.
 
    Acompanhei intensamente dois exemplos: o governo de Felipe González na Espanha e o de Tony Blair no Reino Unido. Eles viveram, muito jovens, um período de glória em suas vidas e marcaram a história de seus países com suas ideias reformistas e o sucesso de suas ações. Vivem hoje afastados da política e dos holofotes e, certamente, sofrendo intensamente com o esquecimento de seus conterrâneos.

    Mas, se analisarmos com cuidado o que há de comum nesses dois exemplos – em outros casos em que o mesmo fenômeno ocorreu–, identificaremos com facilidade um ciclo de crescimento econômico simultâneo ao sucesso político do governo. Se ajustarmos com cuidado nosso radar de observação, vamos ver que o declínio no apoio popular a esses governos inicia-se pouco tempo após a mudança no ciclo econômico e o início de tempos mais duros para a população.

    Trago essa questão ao leitor da Folha na coluna de hoje por motivos óbvios. Os governos do PT –Lula e Dilma– foram atingidos em cheio pela maldição dos dez anos, com todas as características de períodos semelhantes em outras democracias presentes no nosso dia a dia. Como o sistema político brasileiro ainda passa por um período de amadurecimento e a sociedade brasileira é mais sanguínea do que a britânica e a espanhola, a sensação de fim de festa é mais forte e colorida entre nós.

    Apesar de enquadrada na figura da maldição dos dez anos, a crise do PT tem características próprias que precisam ser compreendidas. A mais importante delas é que, durante os anos de ouro do petismo entre 2005 e 2012, ocorreu uma mudança significativa na composição da sociedade brasileira. Como já escrevi várias vezes, neste período, mais de um terço dos brasileiros migraram da economia informal para a formal. Nesta passagem, alteraram de forma radical as suas vidas e a de seus familiares.

    Essa nova classe média sabe que isso foi possível porque a economia cresceu, milhões de empregos foram criados, e eles, neste novo quadro, passaram a ser considerados como elegíveis aos créditos bancário e comercial. Mas sabe também que sua estabilidade como novo cidadão depende majoritariamente de seu emprego e de seu salário. Em outras palavras, sua dependência à situação econômica do Brasil mudou de patamar e de importância e os riscos de voltarem à situação anterior são hoje elevados.

    O governo do PT não percebeu que, nesse novo quadro de composição da sociedade, a questão do crescimento econômico é mais importante que a simples menção à manutenção dos programas sociais de assistência ao terço da população que vive na economia informal. Pior ainda, a volta do crescimento depende de um período de recessão, devido aos ajustes que precisam ser feitos tanto no campo fiscal como no mercado de trabalho e no ajuste dos preços administrados.

    Ou seja, o governo vai ter que trabalhar em um cenário que nós economistas chamamos de curva J. A curva J quer dizer que a situação de insegurança econômica vai piorar antes de melhorar. Nos próximos meses o apoio da sociedade ao governo vai ser muito frágil, agravado ainda pelo escândalo da Petrobras envolvendo diretamente a direção do PT. Talvez a única mudança positiva neste difícil ano de 2015 seja o fortalecimento da economia global a partir da recuperação americana.

    Em outras palavras, ou o governo da presidente Dilma Rousseff mostra uma competência ainda não vista na gestão da economia e de suas relações com o Congresso e a sociedade, ou o Brasil vai se juntar aos países atingidos por essa maldição dos dez anos.


Luiz Carlos Mendonça de Barros,
colunista da Folha de São Paulo, é engenheiro e economista, ex-presidente do BNDES e ex-ministro das Comunicações.

Fonte: www.folha.uol.com.br

0 comentários:

SUPLEMENTO

Edição 47