LEIA A BÍBLIA

ORATÓRIO

ORATÓRIO
Acenda uma vela

SIGA-NOS

twitter

MARCADORES

RIODEJANEIRO SANTOS NOTÍCIAS VATICANO ARTIGOS LONDRINA VICENTINOS FAMÍLIA JMJ MEMÓRIA BEATIFICAÇÃO HOMILIAS ECUMENISMO Formação POLÍTICA SAÚDE MÚSICOS CNBB ECONOMIA Pe.REGINALDO CINEMA CAMPANHAS EUA ESPIRITUALIDADE MINASGERAIS PASTORAIS SÃOPAULO ABORTO CANÇÃONOVA LIVROS ORAÇÕES CURITIBA JUVENTUDE MARINGÁ MISSÕES POLÍCIA PORTUGAL EXORCISMO COMUNICAÇÃO MULHER Testemunho Entrevista INTERNACIONAL JUNDIAÍ VOCAÇÕES MUDABRASIL FUTEBOL MENSAGENS Pe.ZEZINHO UNIVERSITÁRIOS DireitosHumanos EUCARISTIA APOLOGÉTICA DENÚNCIA TEOLOGIA HUMOR INTERNET MILAGRES BÍBLIA ECOLOGIA CANONIZAÇÃO NAMORO APARECIDA CASAMENTOS EDUCAÇÃO MOVIMENTOS PASTCRIANÇA ANCHIETA CIMI CIÊNCIA CORRUPÇÃO ESPORTE POESIAS Rio+20 SALVADOR SANTAMARIA TURISMO VATICANOII APOSENTADOS CRIANÇAS EVANGELIZAÇÃO FINADOS INFANTIL IRMÃDULCE PALOTINOS ADVOCACIA AGRICULTURA CARNAVAL PORTOALEGRE PSICOLOGIA TEATRO AMAZONAS BENFEITORES BRASÍLIA COMEMORAÇÕES COMUNICADOS CRÔNICAS DEMOCRACIA DIREITOS DOCUMENTÁRIO FOCOLARES FORTALEZA MEIOAMBIENTE MUTICOM PARANAGUÁ POBREZA PUBLICIDADE QUARESMA SEXUALIDADE XAVERIANOS ÁFRICA ÁGUAS ANÔNIMOS APUCARANA CAMPINAS CONFISSÃO CristoRedentor CÁRITAS DEFICIENTES DEPRESSÃO FLORIANÓPOLIS FOTODIGITAL INGLATERRA OpusDei PARAGUAI SANTOANTÔNIO SANTUÁRIOS TERRORISMO ANIVERSÁRIO APARIÇÕES ARGENTINA CEBs CIDADANIA CLARETIANOS IDOSOS ISLAMISMO JERUSALÉM JOÃOPAULOII JUSTIÇA LITERATURA MANAUS PARANÁ PARÓQUIAS PAULINAS PENSAMENTOS REDEVIDA RESSURREIÇÃO SOLIDARIEDADE UMUARAMA UNIDADE  NOTÍCIAS ADOÇÃO ATEÍSMO AUTOESTIMA BAIXOCLERO CANTORES CATEQUESE COOPERATIVISMO CORPUSCHRISTI CÉLULAS DOCUMENTOS DOUTRINASOCIAL ESCÂNDALO ESTATÍSTICA FILOSOFIA GASTRONOMIA GotasBíblicas HOMENAGENS MARISTAS MEDITAÇÃO MESTERS MIGRANTES MOTIVAÇÃO MÉXICO NSGUADALUPE PECADO PEDOFILIA PadreChrystian RELIGIOSOS RENOVAÇÃO SUDÁRIO SãoFreiGalvão TABAGISMO TERRASANTA VIOLÊNCIA BEATIFICAÇÃO ACONSELHAMENTO ADORAÇÃO ANTICRISTO APAEs APOSTAS APOSTASIA ARMÊNIA AUTOCURA AVAAZ BATIZADOS BEAGÁ BIOGRAFIAS CHILE CHINA CIRCO COLÔMBIA CONSAGRAÇÃO CONVERSÃO CÍRCULOS DEBATE DEMOGRAFIA EMPRESAS ESPANHA EUROPA EVANGELISMO Especial FOZDOIGUAÇU FREIBETTO FREIDAMIÃO FRUTAS FÁTIMA GOIÂNIA GREVE GruposBíblicos IDEIAS IMPEACHMENT JESUITAS JOINVILLE LITURGIA LOURDES MARANHÃO MATOGROSSO MISERICÓRDIA MSM NÔMADES OAnônimo ONGs P.CARCERÁRIA PADROEIRA PATERNIDADE PAULOFREIRE PERFIL PERNAMBUCO PETRÓPOLIS PHN PIAUÍ POLIGAMIA PORNOGRAFIA PPI PROFISSÕES PROMESSAS PROSPERIDADE Pe.FÁBIOdeMELO Pe.PauloRicardo Prof.MARINS REDEGLOBO RELÍQUIAS RONDÔNIA RUSSIA SACRILÉGIO SANTACATARINA SANTAMISSA SANTAPAULINA SANTOANDRÉ SEGURANÇA SOBRIEDADE SOROCABA SÍNODO Século21 TAUBATÉ TECNOLOGIA TERCEIROSETOR TURQUIA UNESCO VIDANIMAL ZUMBI

David Gomes, o "Marechal Rondon" Evangélico, fundador da Escola Bíblica do Ar (Ebar)


    A Escola Bíblica do Ar (Ebar), localizada no Rio de Janeiro, completou 66 anos de existência em 5 de maio de 2015. Como parte das celebrações a Deus por um ministério longevo e frutífero a equipe da emissora elaborou um vídeo que mostra um pouco da história da Ebar e do seu fundador David Gomes que faleceu em 6 de agosto de 2003. O texto abaixo foi extraído da Revista Raio de Luz, edição 114, setembro de 1999.




Pioneirismo    
Como o sertanista e geógrafo brasileiro Cândido Mariano da Silva Rondon, o Marechal Rondon, David Gomes realizou um trabalho de interiorização no Brasil. Não fez contatos específicos com índios, como fez Rondon até a segunda metade do século. Também não instalou linhas telegráficas nem abriu estradas como o Marechal. David Gomes, porém, a exemplo de seu homônimo bíblico, enfrentou o Golias das grandes distâncias que percorreu; a falta de dinheiro, as condições precárias de viagem e a mata fechada, e venceu. Sem pedras na funda como Davi, mas baseando-se na Rocha Eterna, fez da Bíblia sua força e o ponto de partida para alcançar milhares de pessoas no mais inóspito interior do país.

Em Tocantins, Estado que era território e um dos lugares mais beneficiado pelo esforço do nosso Marechal Rondon, David Gomes estabeleceu escolas e dispensários no meio do "nada". Cidades interioranas de Goiás e do Paraná também foram alcançadas por sua pregação e ação. Olhando para trás, ao avaliar seu trabalho de desbravador do sertão, David Gomes dispensou rótulos e preferiu exaltar a graça de Deus. "Quando penso nas escolas que temos em Rondônia, no meio do mato, no meio do povo mais carente, fico pensando que Ele nos deu privilégio de realizar um pouco mais que o comum. Quando vejo interiores brasileiros - falo de lugares como Paraná, Goiás e Tocantins - concluo que aquilo que Deus fez nesses lugares através de nós não há como medir, porque é obra que continua se desenvolvendo. É obra que alcança todas essas regiões e suas populações, que resulta na salvação de centenas e milhares de pessoas e na harmonia completa de famílias. Podia dizer que gerações inteiras foram evangelizadas como resultado direto do que se realizou nesses lugares", lembrou o pastor.

Aventuras sertanejas
    David Gomes abriu, ao todo, sessenta e quatro escolas primárias e dezessete postos de atendimento à saúde no interior do País e viajou por praticamente todo o território nacional de Pelotas e Santa Maria, no Rio Grande do Sul, passando por São Paulo, Rio de Janeiro, Caravelas (Bahia), Pernambuco, Maranhão, Goiás, até a floresta amazônica e Tocantins, que sempre gosta de citar como exemplo de suas aventuras sertanejas. "Hoje, Tocantins já desenvolvido. Mas, naquela época, não era nada. Temos trabalhos em locais que, sem a nossa presença, não existiriam hoje. Sem o nosso trabalho, só haveria sofrimentos nesses lugares. Temos não só escolas mais também dispensários médicos em regiões que o médico talvez nem saberia achar", recorda.

    Tanta movimentação acabou por gerar aquela que é a marca registrada do ministério de David Gomes: a Escola Bíblica do Ar (EBAR). Pastor da Igreja Batista da Esperança, no centro do Rio de Janeiro, hoje com sessenta e oito anos, ele tronou esse programa de rádio, criado em 1949, fonte de evangelismo e de ensino de muitos e razão da conversão de milhares de vidas, principalmente aquelas que não podiam ser alcançadas pessoalmente em um primeiro momento. "Os resultados podem ser confirmados, pois vários jovens, ao ouvir a Palavra de Deus, descobriram até mesmo a vocação pastoral", destaca.

    Para ele, o sucesso da EBAR ao completar 50 anos teve uma explicação muito simples: "A nossa única preocupação, desde o primeiro programa é fazer o que Deus quer e não o que nós queremos. Assim podemos crer e agradecer a Deus porque o nosso trabalho não tem sido em vão e sim abençoado por Ele", explicou. Com tantos frutos, David Gomes acredita que a EBAR só pode mesmo ser um projeto divino. "Nasceu realmente de Deus. Não foi ideia minha. Também não creio que tenha sido da minha esposa, que é minha grande companheira em todas as coisas, mas foi uma oportunidade que surgiu e que aproveitei. A EBAR constituiu-se em uma de minhas alegrias neste tempo de enfermidade, nesse tempo difícil. Ela é uma maneira de eu dizer ao mundo o que estaria dizendo se pudesse estar presente numa reunião".
   
    Alegria que começou aos sábados na Rádio Continental, a Escola Bíblica era um programa de cinco minutos, com perguntas e resposta sobre a Bíblia. O sucesso foi imediato logo na primeira transmissão, feita a convite do Serviço Noticioso Atlas, da Casa Publicadora Batista. Embora nunca tivesse usado antes o microfone de rádio, David Gomes contagiou seus ouvintes de tal maneira que foi obrigado a aumentar a duração do programa.

"Milhares de pessoas que ouviram a Escola Bíblica do Ar encontram-se hoje com Jesus e se tornaram bênçãos espirituais magníficas"

    Pastor há cinquenta e três anos, formado pelo Seminário Batista do Sul do Brasil, no Rio de Janeiro, e pós-graduado em Teologia no Seminário Batista do Sudoeste, em Fort Worth, no Texas (EUA), David Gomes nunca temeu desafios e disse que, se tivesse de começar tudo de novo, faria outra vez a mesma coisa. "Os frutos são tantos que não consigo nem calcular mais. São muitas vidas. Deus tem me dado o privilégio de viajar o Brasil todo e encontro frutos em todo lugar aonde vou. São pessoas que ouviram a Escola Bíblica do Ar, encontraram-se com Jesus e se tornaram bênçãos espirituais magníficas. Poso dizer isso com o coração muito tranquilo porque essas constatações se repetem o tempo todo", afirma agradecido. "Não há conta das histórias relacionadas com a EBAR. Quantas vezes, viajando no sertão do Brasil, de repente encontrava uma pessoa que me perguntava pela Escola. Em cidades em que nunca pensei estar, havia uma pessoa que sabia as notícias da EBAR tanto quanto eu. São experiências que Deus permitiu serem multiplicadas não apenas para minha alegria, mas para me estimular a dar continuidade ao meu trabalho. É por isso que nesses quase cinquenta anos, estou nessa missão sem perder um só dia".

"Auxiliar cem por cento"
    Tantos afazeres do ministério missionário, as muitas viagens, a direção da EBAR e o pastoreio da igreja nada disso afetou seu casamento com Haydée. O casal, que completou cinquenta e quatro anos de união, no dia 11 de agosto de 1999, vive em lua de mel. Mineiro e pai de cinco filhas e um filho, David Gomes fez elogios rasgados à esposa, a quem chama de "auxiliar cem por cento perfeita". Ele garante que ela "nunca reclamou" de suas viagens e dos longos períodos de ausência. "A minha esposa, que é a melhor coisa que Ele podia me dar, depois da minha salvação, me foi doada por Deus e, maravilhosamente, Ele deu o mesmo sentimento a ela, que concorda com o que devo fazer; especialmente no que diz respeito à Causa de Deus. E ela me completa".

    Hoje, Haydée está cuidando de David Gomes em casa, com a ajuda de duas auxiliares de enfermagem que se revezam. No dia 28 de novembro de 1996, ele fraturou a tíbia da perna esquerda, ao ser atropelado por um carro, na Praça da Bandeira, na zona norte do Rio de Janeiro. Sofreu duas cirurgias. "Na primeira; tiveram que colocar ferros na perna, mas não deu resultado. Foi novamente operado e colocou uma aparelhagem externa e já está começando a ficar em pé com o auxílio de fisioterapia", relata Dona Haydée, que não para de receber elogios do marido. "Agora que tenho esses problemas decorrentes do acidente, ela continua sendo a mesma e nunca falhou na hora que precisei dela. Não estou dizendo isso para glorificá-la, porque ela não precisa de glória - a não ser de Deus que ela já tem -, mas para deixar bem claro que eu nunca estive sozinho na obra que dirijo e realizo. Em grande parte, uma família unida, sem brigas e sem divisão, foi um dos esteios em que sempre me apoiei, durante todos esses anos, para realizar a obra sem parar", ensina.

    O atropelamento machucou só o corpo de David Gomes. Seu ânimo, sua fé e disposição de realizar a obra de Deus permanecem intactos. "O acidente me deu uma possibilidade de ter um pouco mais de tempo para meditar, orar, analisar e avaliar todo esse sofrimento porque tenho passado. Deus me tem dado esse privilégio. Eu, às vezes, descubro coisas que fazia tão grandes e tão maravilhosas que, para mim, não eram tão grandes nem tão maravilhosas", analisa, já pensando no futuro.

O amanhã 
    "O plano real que tenho é de servir a Jesus de todo o coração, todos os dias de minha vida. Mais do que nunca, tenho o desejo de fazer o melhor que posso. Gasto mais tempo agradecendo a Deus do que reclamando do estado em que me encontro", afirma, com cara de quem está prestes a se levantar e sair para pregar o Evangelho. De imediato, ele luta para se recuperar, pensa numa comemoração especial dos cinquenta anos da EBAR e tem um sonho: "Quero viver com minha mulher mais algum tempo e, para isso, preciso de saúde. Tenho muito desejo de voltar a ter saúde e estou sentindo que Deus está me ajudando. Falta muito ainda mais estou caminhando e ela está comigo. Muitos crentes, servos de Deus, estão me ajudando também".

    No momento, ele procura ler "tanto quanto possível" para passar o tempo que fica de cama. "Agora não posso nem um terço, ou melhor, nem um décimo do que lia. Mas sempre fui de muita leitura, sempre procurei ter à mão o que tem sido publicado de mais moderno, de mais novo, não apenas no campo religioso como no campo científico e em outras áreas", explica. Quando lhe perguntaram que livro estava lendo agora, foi extremamente direto e, é claro, evangélico: "A Bíblia é o livro que leio sempre. Graças a Deus há muitas pessoas que me oferecem o que há de mais atualizado. Faço questão de ler e de acompanhar tudo". No entanto, não soube dizer quantas vezes leu as Escrituras. "Eu não posso contar porque, lamentavelmente, sou um fracasso nisso. Mas posso dizer que leio a Bíblia toda, sem conta. Leio porque gosto de ler, porque me sinto inspirado, porque me sinto fortalecido. Sem a Bíblia, eu seria um David Gomes sem alimento".

    Alimento espiritual não faltou em sua vida, nem reconhecimento de sua capacidade por parte dos outros lideres evangélicos. Tanto que é ligado, desde 1949, à Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), entidade muito respeitada por seu trabalho de divulgação da Palavra de Deus. "Fui presidente pela última vez em 1976, num tempo em que nós, da SBB, como hoje, éramos na realidade uma só pessoa, um só interesse, um só planejamento. Quando surgiam ideias, nós as analisávamos e, na maioria das vezes, elas eram aproveitadas. E Deus era glorificado e continua sendo assim. Hoje não estou na SBB - há alguns anos sou emérito. Não tenho tido oportunidade de ir lá, mas, para mim, a SBB continua sendo uma bênção para a vida brasileira. Domina o mercado de Bíblias e não vai perder esse mercado. Essa sociedade continuará sempre crescendo porque sua organização favorece a existência de comissões que procuram ampliar a obra, jamais deixando-a parar", ressaltou.

    A maneira de falar e de escrever de David Gomes se revelou tão marcante que lhe valeu um convite para ocupar uma vaga na Academia Evangélica de Letras do Brasil (AELB). "A Academia, para mim, foi uma grande oportunidade, em certo sentido, de projeção, não pessoal, mas da causa Evangelho. Sempre encontrei na AELB muitos amigos de várias denominações e nunca encontrei o desrespeito. Trabalhando juntos sempre para aprendermos uns com os outros", destacou ele, que é autor de mais de uma dezena de livros, como: Quando as Muralhas Caíram; A Bíblia Responde; Novo Milênio ou Nova Era; Soluções Para uma Sociedade em Crise. "Por causa do meu estado, ainda não me foi possível escrever outras obras. Mas, quem sabe?" Ideias para uma nova empreitada literária - ele garante - não faltam.

TV e rádio 
    Para desenvolver suas atividades na obra de Deus, David Gomes lançou mãos de vários recursos, embora tenha concentrado seus melhores esforços nas viagens e nos programas de rádio. E, embora não tenha investido muito na televisão, que começou a surgir com força na década de 1960, ele diz não ter qualquer arrependimento disso. "No tempo em que me iniciei no rádio (em 1949), a TV ainda era força secundária, não por seu valor, mas pela divulgação que tinha. Tendo começado no rádio e, sentindo que Deus sempre me abençoava; então me encontrei mais nele. Mas jamais desprezaria a TV, seu valor e o imenso significado que ela representa para todo o Brasil e para o mundo".

    Até o inicio do seu ministério no rádio teve lá seus problemas, principalmente quando esse veículo ainda era considerado "inimigo da fé". Mas hoje, dezenas de anos depois do advento desse meio de comunicação, os evangélicos descobriram a importância desse meio de comunicação para o evangelismo e, atualmente, quase todos os pastores têm programas radiofônicos, nem que sejam pequenas inserções de um minuto de duração. "O rádio, para mim, é o poder maior porque vai aonde a pessoa vai. O rádio, a imprensa e a TV são todos uteis, todos são bons, tudo é oportuno. Digo de coração: se pudesse estaria em tudo. Tudo provém de Deus e nós somos instrumentos dele. Creio que isso é da vontade de Deus e de seu plano".

    Por sua vez, mesmo não tendo usado a TV como desejaria, rechaça a pecha de que - como muitos querem - ela seria um instrumento diabólico. "Pelo contrário, a TV tem o seu próprio campo e a sua importância. É um campo que, logo que me foi possível, comecei a preencher. A TV, tanto quanto o rádio é um meio que Deus usa para tornar o Seu nome, o Seu amor e a história de Jesus Cristo conhecidos. Eu só não servi mais a TV porque não teria recursos para tanto", lamentou. Para ele, a televisão é um dos grandes meios de que Deus usou para auxiliar aqueles que Ele já estava usando para tornar o nome de Jesus conhecido. A tarefa, que significaria alcançar dois bilhões e quinhentos milhões de pessoas ainda não evangelizadas, em todo o mundo, só pode ser executada, em sua opinião, com fé, amor pela obra e disposição. "Fico feliz porque houve um acréscimo de recursos. Mas o importante é evangelizar. Continuo fazendo aquilo que posso no rádio e na TV, o que é muito pouco, e aquilo que posso fazer na mídia impressa, em jornais e revistas. Nenhum desses meios seria dispensável", acrescentou.

    Outra coisa que defende é o respeito entre as denominações. Para não cometer injustiças, chega a evitar citar nomes de pastores que admira. "Prefiro não tentar porque se começar não vou acabar a lista. Tenho inúmeros amigos pastores, não só batistas, mas metodistas, presbiterianos, assembleianos e adventistas. Isso é uma alegria para mim, pois tenho amigos em todos os segmentos evangélicos. E não vejo um adventista pelo que ele difere de mim, mas pelo que ele concorda comigo, que é a pessoa de Jesus Cristo. Tenho inúmeros amigos. A gloria toda é do Senhor Jesus. Sou uma pessoa que prega segundo as doutrinas aceitas pela Igreja Batista, mas há pastores que pregam a mesma coisa que eu prego, embora de modo diferente. Acho que isso é permissão divina para que o mundo todo seja evangelizado. Sou batista, mas tenho o direito de combater o outro que está tentando fazer o que eu faço".

Projetos 
Mas não são apenas os meios de comunicação de massa que David Gomes gosta de usar. O evangelismo pessoal, o corpo a corpo, a conversa no intervalo do trabalho ou do colégio são igualmente valorizados. E ele vai mais além. Acha que há uma dimensão social do Evangelho que não pode ser desprezada. Até hoje sonha com os recursos que tornarão possível a instalação de uma escola de enfermagem bem no coração do Rio de Janeiro, mais precisamente Central do Brasil. Seria uma forma de evangelizar e dar uma profissão a quem, em muitos casos, está praticamente mendigando emprego. "O projeto está parado porque não há dinheiro; mas sobram recursos humanos e o desafio continua de pé", informou. Tanto vigor tem uma razão. Para ele, não há jubilação de pastor. "O meu cabelo está bem branco, mas, se pudesse começar tudo de novo, começaria. Acho que não temos o direito de jubilar-nos. Afinal, nós temos o privilégio de continuar estudando e aprendendo de Jesus Cristo".

    Ninguém melhor para falar disso. Com vasta experiência no campo missionário, tendo ocupado durante vários anos o cargo de secretário executivo da Junta de Missões Nacionais da Convenção Batista Brasileira, David Gomes sabe das dificuldades que são inerentes a todo aquele que se dispõe a fazer Missões. Quando RAIO DE LUZ lhe perguntou que conselho daria aos jovens que pretendem ser pastores ou missionários, ele deu uma resposta quase automática. "Primeiro, deve ter a certeza de que Deus o escolheu para isso. Segundo, que tenha certeza de que quer fazer aquilo que entendeu que Deus quer que faça. Terceiro; não tomar nada mais em primeiro lugar senão essa chamada". Quem se habilita?

Inicio da história 
    Nascido em Itaúna (MG), em 23 de dezembro de 1919, e um dos quinze filhos de José, um ferroviário, e Franquelina, David Gomes teve uma infância pobre, sempre muito influenciada pelo Evangelho. Sua mãe, convertida desde 1916 através da pregação de missionários batistas americanos, abriu caminho para o milagre que haveria de ocorrer anos depois.
                               
    O evangelismo pessoal, o corpo a corpo, a conversa no  intervalo do trabalho ou do colégio são igualmente valorizados.

    Ele se entregou a Cristo num culto dominical em 1931, aos doze anos, na Igreja Batista do Barro Preto, em Belo Horizonte, durante pregação do missionário americano O. P. Maddox.

    Em 1935, atendeu ao chamado para o campo de Missões, dessa vez por meio do missionário Lewis Bratcher, então secretário executivo da Junta de Missões Nacionais. Pegou o trem e foi para o Rio de Janeiro. Assumiu o cargo de pastor auxiliar da Segunda Igreja Batista, no Engenho de Dentro, subúrbio carioca. E dali em diante iniciou uma trajetória de fé, de muitas alegrias e algumas lágrimas, de diversos milagres - alguns tão grandes e sólidos quanto o Edifício da Fé, erguido no centro do Rio, depois de uma sucessão de fatos humanamente incríveis. Provas de Deus, de Jesus e do Espírito Santo para nenhum "Tomé" colocar defeito.

Cleber Nadalutti
Revista Raio de Luz - Edição 114 - Setembro de 1999



Fonte: http://www.ebaronline.com.br/

0 comentários:

SUPLEMENTO

Edição 47