LEIA A BÍBLIA

ORATÓRIO

ORATÓRIO
Acenda uma vela

SIGA-NOS

twitter

MARCADORES

RIODEJANEIRO SANTOS NOTÍCIAS VATICANO ARTIGOS LONDRINA VICENTINOS FAMÍLIA JMJ MEMÓRIA BEATIFICAÇÃO HOMILIAS ECUMENISMO Formação POLÍTICA SAÚDE MÚSICOS CNBB ECONOMIA Pe.REGINALDO CINEMA CAMPANHAS EUA ESPIRITUALIDADE MINASGERAIS PASTORAIS SÃOPAULO ABORTO CANÇÃONOVA LIVROS ORAÇÕES CURITIBA JUVENTUDE MARINGÁ MISSÕES POLÍCIA PORTUGAL EXORCISMO COMUNICAÇÃO MULHER Testemunho Entrevista INTERNACIONAL JUNDIAÍ VOCAÇÕES MUDABRASIL FUTEBOL MENSAGENS Pe.ZEZINHO UNIVERSITÁRIOS DireitosHumanos EUCARISTIA APOLOGÉTICA DENÚNCIA TEOLOGIA HUMOR INTERNET MILAGRES BÍBLIA ECOLOGIA CANONIZAÇÃO CASAMENTOS NAMORO APARECIDA EDUCAÇÃO MOVIMENTOS PASTCRIANÇA ANCHIETA CIMI CIÊNCIA CORRUPÇÃO ESPORTE POESIAS Rio+20 SALVADOR SANTAMARIA TURISMO VATICANOII APOSENTADOS CRIANÇAS EVANGELIZAÇÃO FINADOS INFANTIL IRMÃDULCE PALOTINOS ADVOCACIA AGRICULTURA CARNAVAL PORTOALEGRE PSICOLOGIA TEATRO AMAZONAS BENFEITORES BRASÍLIA COMEMORAÇÕES CRÔNICAS DEMOCRACIA DIREITOS DOCUMENTÁRIO FOCOLARES FORTALEZA MEIOAMBIENTE MUTICOM PARANAGUÁ POBREZA PUBLICIDADE QUARESMA SEXUALIDADE XAVERIANOS ÁFRICA ÁGUAS ANÔNIMOS APUCARANA CAMPINAS COMUNICADOS CONFISSÃO CristoRedentor CÁRITAS DEFICIENTES DEPRESSÃO FLORIANÓPOLIS FOTODIGITAL INGLATERRA OpusDei PARAGUAI SANTOANTÔNIO SANTUÁRIOS TERRORISMO ANIVERSÁRIO APARIÇÕES ARGENTINA CEBs CIDADANIA CLARETIANOS IDOSOS ISLAMISMO JERUSALÉM JOÃOPAULOII JUSTIÇA LITERATURA MANAUS PARANÁ PARÓQUIAS PAULINAS PENSAMENTOS REDEVIDA RESSURREIÇÃO SOLIDARIEDADE UMUARAMA UNIDADE  NOTÍCIAS ADOÇÃO ATEÍSMO AUTOESTIMA BAIXOCLERO CANTORES CATEQUESE COOPERATIVISMO CORPUSCHRISTI CÉLULAS DOCUMENTOS DOUTRINASOCIAL ESCÂNDALO ESTATÍSTICA FILOSOFIA GASTRONOMIA GotasBíblicas MARISTAS MEDITAÇÃO MESTERS MIGRANTES MOTIVAÇÃO MÉXICO NSGUADALUPE PECADO PEDOFILIA PadreChrystian RELIGIOSOS RENOVAÇÃO SUDÁRIO SãoFreiGalvão TABAGISMO TERRASANTA VIOLÊNCIA BEATIFICAÇÃO ACONSELHAMENTO ADORAÇÃO ANTICRISTO APAEs APOSTAS APOSTASIA ARMÊNIA AUTOCURA AVAAZ BATIZADOS BEAGÁ BIOGRAFIAS CHILE CHINA CIRCO COLÔMBIA CONSAGRAÇÃO CONVERSÃO CÍRCULOS DEBATE DEMOGRAFIA EMPRESAS ESPANHA EUROPA EVANGELISMO Especial FOZDOIGUAÇU FREIBETTO FREIDAMIÃO FRUTAS FÁTIMA GOIÂNIA GREVE GruposBíblicos HOMENAGENS IDEIAS IMPEACHMENT JESUITAS JOINVILLE LITURGIA LOURDES MARANHÃO MATOGROSSO MISERICÓRDIA MSM NÔMADES OAnônimo ONGs P.CARCERÁRIA PADROEIRA PATERNIDADE PAULOFREIRE PERFIL PERNAMBUCO PETRÓPOLIS PHN PIAUÍ POLIGAMIA PORNOGRAFIA PPI PROFISSÕES PROMESSAS PROSPERIDADE Pe.FÁBIOdeMELO Pe.PauloRicardo Prof.MARINS REDEGLOBO RELÍQUIAS RONDÔNIA RUSSIA SACRILÉGIO SANTACATARINA SANTAMISSA SANTAPAULINA SANTOANDRÉ SEGURANÇA SOBRIEDADE SOROCABA SÍNODO Século21 TAUBATÉ TECNOLOGIA TERCEIROSETOR TURQUIA UNESCO VIDANIMAL ZUMBI

O cooperativismo é considerado um dos maiores instrumentos de justiça e solidariedade


Leia o artigo de João Carlos José Martinelli
    A maioria dos doutrinadores é unânime no sentido de que o desafio atual dos Direitos Humanos é estabelecer os limites mínimos à lógica do mercado e da globalização. Apesar de seus efeitos teóricos, exaltados por muitos economistas, constata-se que mais da metade dos habitantes do planeta está privada das prerrogativas básicas da sobrevivência e encontra-se automaticamente distanciada dos benefícios e confortos vividos pelo restante da população mundial. Nesta trilha, mostra-se cada vez mais necessário diminuir a distância entre as pessoas pobres e os benefícios gerados pelo processo de universalização, principalmente nos países em desenvolvimento. E o cooperativismo, que se constitui num sistema de organização que prega a livre adesão de sócios, autonomia, cooperação e interesse pela comunidade, aparece como um dos instrumentos de maior eficácia à justiça social com equilíbrio.


   Tanto que para Márcio Lopes de Freitas, que foi presidente da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), em artigo publicado pelo jornal “Folha de São Paulo” (02.07.2004- A-3), afirmou que “baseado nos seus consagrados princípios de igualdade e solidariamente, o cooperativismo se coloca como contraponto à prática cega da globalização mercantil”.

     Com efeito, de acordo com Edivaldo Del Grande, administrador de empresas e especialista no tema, “como os empreendimentos não têm finalidade de lucro, a renda obtida é dividida entre os cooperados, trazendo maior equilíbrio nas relações sociais. Pesquisa do IBGE revelou que o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) é sempre maior em cidades onde existem cooperativas” (“Folha de São Paulo” - 28.07.2006- A-3).

     O cooperativismo surgiu em 1844, quando foi formada a primeira cooperativa formal em Rochdale, na Inglaterra, reunido vinte e oito pioneiros que estabeleceram alguns princípios, cuja redação foi ampliada e aprimorada em 1995, na Inglaterra, no Congresso da Aliança Cooperativa Internacional (ACI), em Manchester. Baseando-se nesses preceitos, podemos dizer que as cooperativas são organizações voluntárias, abertas a todas as pessoas interessadas em utilizar seus serviços e dispostas e aceitar as responsabilidades da sociedade, sem discriminação social, racial, política, religiosa e sexual.

    Da mesma forma são democráticas e controladas por seus associados, que contribuem igualmente e participam ativamente na fixação de suas políticas, nas tomadas de decisões e na administração do capital; são autônomas e de auto-ajuda, fornecendo educação e treinamento a seus integrantes, aos representantes eleitos e empregados, para que possam contribuir efetivamente no desenvolvimento dos grupos aos quais pertencem; servem seus associados mais efetivamente e fortalecem o movimento cooperativista, trabalhando juntas através de estruturas locais, regionais e internacionais, buscando o desenvolvimento sustentável de suas comunidades através de políticas aprovadas por seus membros.

     Na Europa, 45% da população participam de alguma cooperativa, enquanto nos EUA, esse percentual chega a 35%.    As cooperativas de nosso país ainda não têm idêntico alcance, mas se equiparam na importância que representam em todos os contextos, precisando portanto de maior reconhecimento para alcançar melhores índices.

    Ilustrativamente e com dados extraídos do artigo elaborado por Márcio Lopes de Freitas, cite-se que as cooperativas de consumo, constituídas por mais de dois milhões de brasileiros, são o equilíbrio dos preços de alimentos e bens de primeira necessidade no varejo. As habitacionais lutam e transformam em realidade o sonho da casa própria para a população de baixa renda e as de saúde criam oportunidade de trabalho para cerca de 300 mil profissionais do setor, atendendo mais de 14 milhões de brasileiros de forma digna. As de infra-estrutura já criaram mais de 120 mil quilômetros de redes elétricas, levando energia e desenvolvimento a mais de 600 mil famílias e as do ramo educacional reúnem mais de 100 mil associados e atendem diretamente a cerca de 11 mil alunos, oferecendo ensino de boa qualidade a preço justo, enquanto as do ramo de transporte congregam uma frota de mais de cinco mil veículos.

     Comemoramos em quatro de julho último, o Dia do Cooperativismo, razão pela qual ressaltamos a função das cooperativas em gerar renda e trabalho com equidade social, contrapondo-se à prática devastadora do mercado, objetivo que se alinha à satisfação das necessidades básicas dos seres humanos, constituindo-se em evidente instrumento de realização de direitos fundamentais e comprovando a sua capacidade em possibilitar uma globalização justa e solidária.

                        DIA DA LIBERDADE DE PENSAMENTO 
    Celebra-se a 14 de julho, o Dia da Liberdade de Pensamento, concepção que se revela num dos principais alicerces do regime democrático. Prevista na Constituição Federal do Brasil (art. 5, incisos IV e V), é tida como a maior conquista da história contemporânea, desde que foi expressamente disposta na Declaração dos Direitos Humanos proclamada pela ONU. Entretanto, ela não é absoluta. Com efeito, na esfera mental, o pensamento é irrestrito, sendo considerado uma virtude vinda de Deus, posto que produzido no âmbito mais íntimo e recôndito do homem, origina-se independente e supremo.

    A sua exteriorização, no entanto, deve-se pautar no respeito aos cidadãos em geral, já que o Estado também viabiliza outras garantias primordiais e consagradas pelo texto constitucional, como as relativas à personalidade, notadamente a privacidade e a honra, cuja ofensa pode gerar a incidência e infrações penais, bem como a sujeição a indenizações por danos morais e materiais.

João Carlos José Martinelli é advogado, jornalista, escritor e professor universitário. Presidente da Academia Jundiaiense de Letras (martinelliadv@hotmail.com)

0 comentários:

SUPLEMENTO

Edição 47