LEIA A BÍBLIA

ORATÓRIO

ORATÓRIO
Acenda uma vela

SIGA-NOS

twitter

MARCADORES

RIODEJANEIRO SANTOS NOTÍCIAS VATICANO ARTIGOS LONDRINA VICENTINOS FAMÍLIA JMJ MEMÓRIA BEATIFICAÇÃO HOMILIAS ECUMENISMO Formação POLÍTICA SAÚDE MÚSICOS CNBB ECONOMIA Pe.REGINALDO CINEMA CAMPANHAS EUA ESPIRITUALIDADE MINASGERAIS PASTORAIS SÃOPAULO ABORTO CANÇÃONOVA LIVROS ORAÇÕES CURITIBA JUVENTUDE MARINGÁ MISSÕES POLÍCIA PORTUGAL EXORCISMO COMUNICAÇÃO MULHER Testemunho Entrevista INTERNACIONAL JUNDIAÍ VOCAÇÕES MUDABRASIL FUTEBOL MENSAGENS Pe.ZEZINHO UNIVERSITÁRIOS DireitosHumanos EUCARISTIA APOLOGÉTICA DENÚNCIA TEOLOGIA HUMOR INTERNET MILAGRES BÍBLIA ECOLOGIA CANONIZAÇÃO CASAMENTOS NAMORO APARECIDA EDUCAÇÃO MOVIMENTOS PASTCRIANÇA ANCHIETA CIMI CIÊNCIA CORRUPÇÃO ESPORTE POESIAS Rio+20 SALVADOR SANTAMARIA TURISMO VATICANOII APOSENTADOS CRIANÇAS EVANGELIZAÇÃO FINADOS INFANTIL IRMÃDULCE PALOTINOS ADVOCACIA AGRICULTURA CARNAVAL PORTOALEGRE PSICOLOGIA TEATRO AMAZONAS BENFEITORES BRASÍLIA COMEMORAÇÕES CRÔNICAS DEMOCRACIA DIREITOS DOCUMENTÁRIO FOCOLARES FORTALEZA MEIOAMBIENTE MUTICOM PARANAGUÁ POBREZA PUBLICIDADE QUARESMA SEXUALIDADE XAVERIANOS ÁFRICA ÁGUAS ANÔNIMOS APUCARANA CAMPINAS COMUNICADOS CONFISSÃO CristoRedentor CÁRITAS DEFICIENTES DEPRESSÃO FLORIANÓPOLIS FOTODIGITAL INGLATERRA OpusDei PARAGUAI SANTOANTÔNIO SANTUÁRIOS TERRORISMO ANIVERSÁRIO APARIÇÕES ARGENTINA CEBs CIDADANIA CLARETIANOS IDOSOS ISLAMISMO JERUSALÉM JOÃOPAULOII JUSTIÇA LITERATURA MANAUS PARANÁ PARÓQUIAS PAULINAS PENSAMENTOS REDEVIDA RESSURREIÇÃO SOLIDARIEDADE UMUARAMA UNIDADE  NOTÍCIAS ADOÇÃO ATEÍSMO AUTOESTIMA BAIXOCLERO CANTORES CATEQUESE COOPERATIVISMO CORPUSCHRISTI CÉLULAS DOCUMENTOS DOUTRINASOCIAL ESCÂNDALO ESTATÍSTICA FILOSOFIA GASTRONOMIA GotasBíblicas MARISTAS MEDITAÇÃO MESTERS MIGRANTES MOTIVAÇÃO MÉXICO NSGUADALUPE PECADO PEDOFILIA PadreChrystian RELIGIOSOS RENOVAÇÃO SUDÁRIO SãoFreiGalvão TABAGISMO TERRASANTA VIOLÊNCIA BEATIFICAÇÃO ACONSELHAMENTO ADORAÇÃO ANTICRISTO APAEs APOSTAS APOSTASIA ARMÊNIA AUTOCURA AVAAZ BATIZADOS BEAGÁ BIOGRAFIAS CHILE CHINA CIRCO COLÔMBIA CONSAGRAÇÃO CONVERSÃO CÍRCULOS DEBATE DEMOGRAFIA EMPRESAS ESPANHA EUROPA EVANGELISMO Especial FOZDOIGUAÇU FREIBETTO FREIDAMIÃO FRUTAS FÁTIMA GOIÂNIA GREVE GruposBíblicos HOMENAGENS IDEIAS IMPEACHMENT JESUITAS JOINVILLE LITURGIA LOURDES MARANHÃO MATOGROSSO MISERICÓRDIA MSM NÔMADES OAnônimo ONGs P.CARCERÁRIA PADROEIRA PATERNIDADE PAULOFREIRE PERFIL PERNAMBUCO PETRÓPOLIS PHN PIAUÍ POLIGAMIA PORNOGRAFIA PPI PROFISSÕES PROMESSAS PROSPERIDADE Pe.FÁBIOdeMELO Pe.PauloRicardo Prof.MARINS REDEGLOBO RELÍQUIAS RONDÔNIA RUSSIA SACRILÉGIO SANTACATARINA SANTAMISSA SANTAPAULINA SANTOANDRÉ SEGURANÇA SOBRIEDADE SOROCABA SÍNODO Século21 TAUBATÉ TECNOLOGIA TERCEIROSETOR TURQUIA UNESCO VIDANIMAL ZUMBI

Grito dos Excluídos e Excluídas 2015: manifestações tomaram as ruas de todo o país


    São Paulo, POM/Assimp - O genocídio da juventude negra invisibilizada pelas lentes da grande mídia, o modelo de organização do Estado que está a serviço da burguesia e o monopólio dos meios de comunicação estamparam faixas e cartazes das manifestações que ocuparam, na segunda-feira, 7 de Setembro, as ruas de todo o país no Grito dos Excluídos e Excluídas 2015.




    Para dom Pedro Luís Stringhini, vice-presidente do Regional Sul 1 (São Paulo) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), “neste momento de crise é importante saber de que lado estamos. Pode-se estar com o povo ou com aqueles que querem retroceder. Nós não estamos do lado do quanto pior melhor, nem daqueles que não aceitam o resultado das eleições”, disse.

    Os movimentos que compõem o Grito reconhecem os avanços sociais na última década, mas ressaltam que a onda de retrocesso em curso no Congresso Nacional, que tem afetado os direitos da classe trabalhadora como um todo, é o modelo de desenvolvimento que alimenta a burguesia, que extermina os povos das comunidades tradicionais, os jovens negros e pobres das periferias, violenta nossas mulheres e crianças e inviabiliza as relações em nossos territórios.

    Para o jornalista e Altamiro Borges, a imprensa cumpre um papel no mínimo perigoso ao exaltar a cobertura de manifestações conservadoras, que pedem o golpismo, a ditadura e perpetuam a discriminação. “A mídia também poderia ajudar no combate à violência, mas o que faz é estimular o consumismo e os piores instintos dos seres humanos, com programas policialescos e coberturas omissas de casos como a recente chacina em Osasco, em que foram mortas 19 pessoas”, afirmou.

    Com esta edição, o Grito dos Excluídos e Excluídas mais uma vez se afirma como um processo, como uma alternativa viável para todos e todas que são afetados cotidianamente por injustiças e que lutam por um mundo justo. Hoje, 7 de Setembro de 2015, foi um ponto culminante das manifestações populares, que desde o dia 01 de setembro ocuparam ruas, avenidas e praças pelo Brasil. E elas não param aí. Movimentos populares em diversas cidades realizarão seus Gritos por justiça social e direitos ao longo da próxima semana e dos próximos meses. Assim vai se fortalecendo o processo de mobilização, de organização popular reivindicando a dignidade da pessoa humana e fazendo soar ainda mais forte o tema da maior manifestação popular do Brasil: Vida em primeiro lugar.

Confira as ações que aconteceram em todo país

São Paulo
    Em São Paulo na capital, cerca de 10 mil pessoas saíram em caminhada da Praça Oswaldo Cruz, passaram pela Assembleia Legislativa de São Paulo e seguiram rumo ao Monumento das Bandeiras no Parque do Ibirapuera. Já na Praça da Sé, cerca de 300 pessoas de movimentos populares, pastorais e centrais sindicais se reuniram em um ato que lembrou a morte de Francisco Lima, morador de rua que foi morto na última sexta-feira (4), ao tentar defender uma mulher que era mantida refém nas escadarias da igreja. Luiz Antônio da Silva, que mantinha a refém, também foi morto na ação pela Polícia Militar. Os manifestantes terminaram o ato com um abraço simbólico à catedral, lembrando que os mortos dali são vítimas do mesmo sistema. Em Aparecida, no Vale do Paraíba, cerca de 10 mil pessoas participaram no Santuário Nacional de Aparecida neste dia 7. Os militantes reivindicaram maior participação popular, a democratização da mídia.

Paraná
    O Grito dos Excluídos em Curitiba reuniu cerca de 200 pessoas na Igreja Nossa Senhora do Rosário do Belém, no bairro Centenário. O ato seguiu até a Vila São Domingos, onde há mais de 800 famílias que lutam pela regularização de suas moradias.

Alagoas
    Mais de 500 pessoas ligadas a movimentos sociais, pastorais, entidades e partidos marcharam em Maceió (AL), seguindo o desfile oficial de 7 de setembro. Ao final do ato, o governador Renan Filho (PMDB) foi ao meio do povo ouvir as reivindicações de ampliação de direitos, de abertura de negociações com os professores grevistas e de paz nas favelas e justiça ao Caso Davi, jovem morto há um ano por policiais.



Distrito Federal
    Em Brasília (DF), movimentos sociais, sindicatos e demais coletivos se articularam para a realização da manifestação do Grito dos Excluídos, que se iniciou às 8h, na Catedral Metropolitana, no Plano Piloto de Brasília. “O objetivo é expor e colocar em debate os reais problemas que afetam o povo, então diante dessa crise política, econômica, social e ambiental que vivemos, movimentos sociais, coletivos e sindicatos estão organizados e mobilizados para dar uma resposta propositiva para essa crise no sentido de melhorar a vida do povo e dar voz aos excluídos e excluídas”, ressaltou Fábio Miranda, membro da coordenação do Grito no DF.

Rio Grande do Sul
    Em Porto Alegre cerca de 250 pessoas participaram do 21º Grito dos Excluídos. A concentração começou na Rótula das Cuias, os militantes seguiram em caminhada até a Usina do Gasômetro, no Centro Histórico.

Minas Gerais
    Em Belo Horizonte (MG), cerca de 600 pessoas se concentraram na Praça Raul Soares e de lá seguiram em marcha até a praça sete, no centro da capital.

Bahia
    Em Salvador, na Praça do Campo Grande, 20 mil pessoas de movimentos sociais, pastorais, sindicatos e demais coletivos se articularam para a realização da manifestação do Grito dos Excluídos. Os militantes denunciaram o genocídio da população jovem e negra, pediram atenção especial à economia solidária, e ao quilombo Rio dos Macacos, comunidade quilombola que há décadas luta pela regularização da área.

Roraima
    Em Boa Vista, capital de Roraima, representantes de 50 entidades participaram pela manhã deste 7 de setembro. A concentração teve início por volta das 9h, na Praça Oswaldo Cruz, bairro da Boa Vista. De lá, os manifestantes seguiram em passeata pela Avenida Conde da Boa Vista até a Praça do Carmo, onde um ato público aconteceu a partir das 13h.

Rio de Janeiro
    No Rio de Janeiro cerca de 100 pessoas de movimentos sociais saíram em passeata pela Avenida Presidente Vargas no centro da cidade. A concentração começou às 9h na Rua Uruguaiana e a caminhada seguiu até a estátua de Zumbi dos Palmares. A manifestação contou com a participação de movimentos feministas, negros, indígena, de juventude, por moradia, educação, comunicação popular, sindicalistas, classistas e partidos de esquerda.

Pernambuco
    Marchando pelas principais ruas e avenidas do Recife, cerca de 3500 pessoas gritaram em defesa da democracia, da ética na mídia, pela melhoria e mais investimentos no Sistema de Saúde Pública (SUS), por mais educação, Reforma Agrária, demarcação de terras indígenas e direito à cidade. Vários movimentos sociais, pastorais sociais da Igreja católica, sindicatos, grupos de jovens, mulheres, indígenas gritaram também pela prevenção e combate à violência contra os jovens, contra as mulheres, e contra a violência policial.

Pará
    Cerca de 500 marcharam pelas ruas da capital Belém (PA), os manifestantes pediram o fim do extermínio da juventude e da violência contra mulher. Durante o trajeto, os manifestantes pararam enfrente à Rede Globo e pediram pela democratização dos meios de comunicação.

Goiás
    Em Goiânia (GO), 150 pessoas se reuniram em um seminário que contou com a participação de moradores das periferias da cidade. O evento debateu os principais temas do 21º Grito os Excluídos.

Mais informações:
Secretaria Nacional do Grito dos Excluídos  + 55 11  2272-0627
E-mail: imprensagritonacional@ig.com.br
Assessoria de Imprensa:
Ana Valim: +55 11  9.9600-9938
Rogéria Araújo: + 55 11 9.6369-9878 e  +55 85  9.8683-8141
Maura Silva +55 11 9.7169-0322

0 comentários:

SUPLEMENTO

Edição 47