LEIA A BÍBLIA

ORATÓRIO

ORATÓRIO
Acenda uma vela

SIGA-NOS

twitter

MARCADORES

RIODEJANEIRO SANTOS NOTÍCIAS VATICANO ARTIGOS LONDRINA VICENTINOS FAMÍLIA JMJ MEMÓRIA BEATIFICAÇÃO HOMILIAS ECUMENISMO Formação POLÍTICA SAÚDE MÚSICOS CNBB ECONOMIA Pe.REGINALDO CINEMA CAMPANHAS EUA ESPIRITUALIDADE MINASGERAIS PASTORAIS SÃOPAULO ABORTO CANÇÃONOVA LIVROS ORAÇÕES CURITIBA JUVENTUDE MARINGÁ MISSÕES POLÍCIA PORTUGAL EXORCISMO COMUNICAÇÃO MULHER Testemunho Entrevista INTERNACIONAL JUNDIAÍ VOCAÇÕES MUDABRASIL FUTEBOL MENSAGENS Pe.ZEZINHO UNIVERSITÁRIOS DireitosHumanos EUCARISTIA APOLOGÉTICA DENÚNCIA TEOLOGIA HUMOR INTERNET MILAGRES BÍBLIA ECOLOGIA CANONIZAÇÃO CASAMENTOS NAMORO APARECIDA EDUCAÇÃO MOVIMENTOS PASTCRIANÇA ANCHIETA CIMI CIÊNCIA CORRUPÇÃO ESPORTE POESIAS Rio+20 SALVADOR SANTAMARIA TURISMO VATICANOII APOSENTADOS CRIANÇAS FINADOS INFANTIL IRMÃDULCE PALOTINOS ADVOCACIA AGRICULTURA CARNAVAL EVANGELIZAÇÃO PORTOALEGRE PSICOLOGIA TEATRO AMAZONAS BENFEITORES BRASÍLIA COMEMORAÇÕES CRÔNICAS DEMOCRACIA DIREITOS DOCUMENTÁRIO FOCOLARES FORTALEZA MEIOAMBIENTE MUTICOM PARANAGUÁ PUBLICIDADE QUARESMA SEXUALIDADE XAVERIANOS ÁFRICA ÁGUAS ANÔNIMOS APUCARANA CAMPINAS COMUNICADOS CONFISSÃO CristoRedentor CÁRITAS DEFICIENTES DEPRESSÃO FLORIANÓPOLIS FOTODIGITAL INGLATERRA OpusDei PARAGUAI POBREZA SANTOANTÔNIO TERRORISMO ANIVERSÁRIO APARIÇÕES ARGENTINA CEBs CIDADANIA CLARETIANOS IDOSOS ISLAMISMO JERUSALÉM JOÃOPAULOII JUSTIÇA LITERATURA MANAUS PARANÁ PARÓQUIAS PAULINAS PENSAMENTOS REDEVIDA RESSURREIÇÃO SANTUÁRIOS SOLIDARIEDADE UMUARAMA  NOTÍCIAS ADOÇÃO ATEÍSMO AUTOESTIMA BAIXOCLERO CANTORES CATEQUESE COOPERATIVISMO CORPUSCHRISTI CÉLULAS DOCUMENTOS DOUTRINASOCIAL ESCÂNDALO ESTATÍSTICA FILOSOFIA GASTRONOMIA GotasBíblicas MARISTAS MEDITAÇÃO MESTERS MIGRANTES MOTIVAÇÃO MÉXICO NSGUADALUPE PECADO PEDOFILIA PadreChrystian RELIGIOSOS RENOVAÇÃO SUDÁRIO SãoFreiGalvão TABAGISMO TERRASANTA UNIDADE VIOLÊNCIA BEATIFICAÇÃO ACONSELHAMENTO ADORAÇÃO ANTICRISTO APAEs APOSTAS APOSTASIA ARMÊNIA AUTOCURA AVAAZ BATIZADOS BEAGÁ BIOGRAFIAS CHILE CHINA CIRCO COLÔMBIA CONSAGRAÇÃO CONVERSÃO CÍRCULOS DEBATE DEMOGRAFIA EMPRESAS ESPANHA EUROPA EVANGELISMO Especial FOZDOIGUAÇU FREIBETTO FREIDAMIÃO FRUTAS FÁTIMA GOIÂNIA GREVE GruposBíblicos HOMENAGENS IDEIAS IMPEACHMENT JESUITAS JOINVILLE LITURGIA LOURDES MARANHÃO MATOGROSSO MISERICÓRDIA MSM NÔMADES OAnônimo ONGs P.CARCERÁRIA PADROEIRA PATERNIDADE PAULOFREIRE PERFIL PERNAMBUCO PETRÓPOLIS PHN PIAUÍ POLIGAMIA PORNOGRAFIA PPI PROFISSÕES PROMESSAS PROSPERIDADE Pe.FÁBIOdeMELO Pe.PauloRicardo Prof.MARINS REDEGLOBO RELÍQUIAS RONDÔNIA RUSSIA SACRILÉGIO SANTACATARINA SANTAMISSA SANTAPAULINA SANTOANDRÉ SEGURANÇA SOBRIEDADE SOROCABA SÍNODO Século21 TAUBATÉ TECNOLOGIA TERCEIROSETOR TURQUIA UNESCO VIDANIMAL ZUMBI

A importância da humildade dos pais na prática das quatro virtudes cardeais


    Nesse artigo do Prof. Felipe Aquino algumas pinceladas sobre as quatro virtudes cardeais podem-nos ajudar muito. Serão rápidas, impressionistas, e mostrarão apenas umas poucas moedas do tesouro riquíssimo que guarda cada uma delas.





Prudência
    Como ajuda e enche de segurança ter um pai que seja alegre, sensato e reflexivo! Que não improvise. Que não dê decepções a toda a hora, mudando de planos sem mais nem menos. Que não dê sustos por ter-se esquecido de controlar as contas bancárias, ou os prazos disto ou daquilo; que não precise ouvir aquelas palavras do Paraíso de Dante: Siate, cristiani, a muovervi più gravi: non siate come pena ad ogni vento… (“Caminhai, cristão, com mais ponderação: não sejais qual pena movida por qualquer vento…”).

Justiça
    Como faz bem aos filhos ter um pai e uma mãe que cumprem o que prometem! Que não se desdizem, porque ficou mais difícil aquele passeio com os filhos e estão cansados e são comodistas. Que não tratam os filhos como números, com ordens genéricas, iguais para todos, como se o lar fosse um quartel, mas, como pede a justiça, tratam desigualmente os filhos desiguais (logicamente, não por mimo ou preferências injustas). Que, se fazem uma repreensão justa e prometem um pequeno ou médio castigo (castigo grande quase nunca se justifica), não amolecem, mas cumprem, sem deixar de cercar o filho punido da certeza de que é muito amado e só se quer o seu bem.

    E fazem bem aos filhos outras “justiças” menores do cotidiano. Por exemplo, saber que os pais não se aproveitam nunca de um troco errado (devolvem ao caixa a diferença), nem dão jeitos para enganar e deixar de pagar uma entrada, que qualquer pessoa honesta paga.

Fortaleza 
    Bastaria lembrarmo-nos da mãe que admirávamos há pouco. Mas é também um exemplo maravilhoso viver num clima familiar em que não se ouvem queixas nem reclamações. Em que ninguém se julga mártir ou vítima. Em que o pai, exausto, é capaz de ficar brincando com os filhos, interessando-se pelas suas pequenas problemáticas ou pelos seus sonhos e alegrias, e tudo isso sabendo oferecer a todos um sorriso afável, no meio da pena ou do esgotamento. Pais que sempre projetam a bela luz da paciência e da constância.

Temperança
    Que grande exemplo dão os pais que nunca são vistos, nem dentro nem fora de casa, nem nos dias de trabalho nem aos domingos, e feriados, abusando da comida e da bebida! Que não se iludem, achando que vão enganar os filhos dizendo-lhes que se trata só de um “aperitivo” ou uma “cervejinha” de que precisam muito porque andam fatigados e faz bem para a saúde, quando os filhos os veem claramente “altos”, com a voz gosmenta e as pernas bambeando por excesso de álcool. Pelo contrário, como toca o coração ver uma mão que habitualmente “gosta” do pedaço de carne que tem mais nervos e gorduras, ou ver o pai que “gosta” do cinema que a mãe adora…, mesmo em dias em que joga o seu time.

    E a temperança na TV e na Internet? Acham que os filhos são tolos? Em matéria de informática, quase sempre dão um solene “chapéu” nos pais, e descobrem muito facilmente – pois ainda não aprenderam a viver a virtude da discrição e a controlar a curiosidade – a quantidade de sites inconvenientes que o pai visitou, como se fosse um adolescente com obsessão sexual neurótica.

    E em matéria de humildade, que São Tomás de Aquino situa no âmbito da temperança? Como se nota a falta de humildade e como faz mal! Por isso, é tão formativo que os filhos percebam que os pais não se deixam arrastar por mesquinharias de susceptibilidade, por mágoas persistentes, por rancores e incapacidade de perdoar. Que nunca vejam os pais virando o rosto para ninguém, nem dominados por espírito de revide e vingança, nem com raiva do cunhado que fez isso ou da tia que fez aquilo…

Virtudes humanas! 
    São tantas as que os pais deveriam cultivar, como uma lâmpada que brilha em lugar escuro… (1Pe 1, 19)! Cultivar virtudes e ensiná-las aos filhos, com a autoridade moral que dá o exemplo, é um empreendimento árduo, mas é decisivo, e, por isso, deve ser enfrentado pelos pais (tendo uma intensa vida interior, muita formação cristã, exame de consciência todas as noites, direção espiritual, etc.), e, com a graça de Deus, deve ser levado a termo. Oxalá os filhos, quando crescerem, possam dizer que nunca se apagou deles a imagem do pai, a imagem da mãe, e que até à velhice o pai e a mãe continuaram a iluminar lhes a vida.

    Isto foi o que aconteceu a um amigo meu muito chegado. A imagem dos pais ficou-lhe gravada para sempre, como uma estrela orientadora. E veio a tomar uma consciência mais plena dessa bela realidade quando aconteceu o fato que transcrevo a seguir, usando literalmente as palavras com que ele descreveu:

Por ocasião de um centenário
    “Meu pai morreu com 85 anos de idade, em 1987. Quando ia começar o ano de 2002, filhos, netos, amigos e colegas da sua profissão jurídica resolveram honrar lhe a memória, comemorando, com diversas celebrações – alhures, lá na terra onde ele nasceu e viveu -, o centenário do seu nascimento. Para uma dessas celebrações, ocorreu-me preparar umas palavras de público agradecimento – de gratidão filial -, sob o título: O que eu aprendi de meu pai.

    “Penso que pode ser esclarecedor acrescentar que redigi esse texto em cima da hora, deixando os dedos e o coração correrem espontaneamente pelo teclado do computador. Tal como o texto surgiu e foi lido na cerimônia, transcrevo-o a seguir:

    “– De meu pai, eu aprendi o valor da simplicidade. Lembrando-me dele, compreendo muito bem que essa virtude amável é o segredo da autêntica grandeza.

    “– De meu pai aprendi o que significa respeito profundo por cada ser humano. Para ele, um ajudante de pedreiro ou uma humilde faxineira tinha tanto ou mais valor que o presidente de uma grande companhia. E, no seu escritório de advogado-tabelião, o problema dos limites da minúscula horta de dona Maria <<pesava>> tanto como a constituição de uma grande sociedade.

    “– Ao pensar no meu pai, ainda hoje fico comovido toda vez que me recordo do respeito que tinha pelos seus seis filhos. Não os dominava nem os descurava: educava-os dentro de profundos valores cristãos (em comunhão estreita com a mãe), mas sempre respeitando-lhes as opções, as preferências, as escolhas nobres, a vocação, a liberdade responsável.

    “– De meu pai aprendi que não há alma tão amável como aquela que possui, no seu fundo mais íntimo, o tesouro da humildade. E que não existe coisa mais ridícula que o inchaço do orgulhoso, os ares de grandeza do convencido e a correria ansiosa do ambicioso. Eu diria que ele somente conheceu aquelas pequeninas vaidades, minúsculas e até infantis, que não embaçam a humildade de coração.

    “– De meu pai aprendi também a alegria única que proporcionam as coisas mais singelas do mundo, como as festas familiares, as tradições do lar, os passeios no campo, a observação dos pássaros, das árvores, dos plantios e das pastagens, os “bate-papos” com os amigos, e as leituras repousadas de livros bons.

    “– De meu pai aprendi que certas nuvens escuras, que poderiam toldar seriamente o convívio familiar, podem dissipar-se ou atenuar-se muito com uma pitada de bom humor sem ácido e sem fel.

    “– De meu pai aprendi que é possível viver uma longa vida sem guardar nem uma migalha de ódio, de inveja ou de rancor, movido apenas pelo impulso permanente de bondade.

    “– De meu pai aprendi que o coração só se sente bem com a verdade, e que a menor mentira incomoda e faz mal.

    “– De meu pai aprendi o que é ser amigo dos amigos, apenas pela alegria de tê-los e de ficar feliz vendo que estão contentes.

    “– De meu pai aprendi a grandeza de sermos fiéis aos autênticos valores e convicções. Vendo-o, aprendi que, debaixo de Deus, há infinitas maravilhas; mas que por cima ou à margem de Deus não há nenhuma, pois Ele é <<toda>> a maravilha e sem Ele nenhuma o é…

    “– De meu pai aprendi como é grande e cativante o homem que vive a fé com a mesma naturalidade com que respira, sem exibicionismo nem retórica, mas também sem respeitos humanos nem receio de se mostrar como cristão.conquista

    “– De meu pai aprendi como é belo não se preocupar nem um pouquinho com o que os outros possam pensar ou dizer, quando se possui um coração reto, uma intenção pura e boa vontade…

    “– De meu pai aprendi… tantas coisas! Perdão. Desde o inicio destas evocações, eu deveria ter dito tudo de maneira diferente. Eu deveria ter dito: – De meu pai eu poderia ter aprendido tantas coisas boas! E de minha mãe, que mereceria uma evocação igual. Que Deus me perdoe por não ter sabido fazê-lo como eles mereciam!…”

    Estas foram as palavras lidas naquela homenagem. “Relendo-as depois – comentava ainda o meu amigo –, dei-me conta de que só fiquei falando do exemplo. Isto me tem ajudado a valorizar o exemplo, como a melhor herança que os pais podem deixar os filhos”.

Texto retirado do livro: A Força do exemplo, Francisco Faus

Visite http://cleofas.com.br/

0 comentários:

SUPLEMENTO

Edição 47