LEIA A BÍBLIA

ORATÓRIO

ORATÓRIO
Acenda uma vela

SIGA-NOS

twitter

MARCADORES

RIODEJANEIRO SANTOS NOTÍCIAS VATICANO ARTIGOS LONDRINA VICENTINOS FAMÍLIA JMJ MEMÓRIA BEATIFICAÇÃO HOMILIAS ECUMENISMO Formação POLÍTICA SAÚDE MÚSICOS CNBB ECONOMIA Pe.REGINALDO CINEMA CAMPANHAS EUA ESPIRITUALIDADE MINASGERAIS PASTORAIS SÃOPAULO ABORTO CANÇÃONOVA LIVROS ORAÇÕES CURITIBA JUVENTUDE MARINGÁ MISSÕES POLÍCIA EXORCISMO PORTUGAL COMUNICAÇÃO MULHER Testemunho Entrevista INTERNACIONAL JUNDIAÍ VOCAÇÕES MUDABRASIL FUTEBOL MENSAGENS Pe.ZEZINHO UNIVERSITÁRIOS DireitosHumanos EUCARISTIA APOLOGÉTICA DENÚNCIA TEOLOGIA HUMOR INTERNET MILAGRES BÍBLIA ECOLOGIA CANONIZAÇÃO CASAMENTOS NAMORO APARECIDA EDUCAÇÃO MOVIMENTOS PASTCRIANÇA ANCHIETA CIMI CIÊNCIA CORRUPÇÃO ESPORTE Rio+20 SALVADOR SANTAMARIA TURISMO VATICANOII APOSENTADOS CRIANÇAS FINADOS INFANTIL IRMÃDULCE PALOTINOS POESIAS ADVOCACIA AGRICULTURA CARNAVAL EVANGELIZAÇÃO PORTOALEGRE PSICOLOGIA TEATRO AMAZONAS BENFEITORES BRASÍLIA COMEMORAÇÕES CRÔNICAS DEMOCRACIA DIREITOS DOCUMENTÁRIO FOCOLARES FORTALEZA MEIOAMBIENTE MUTICOM PARANAGUÁ PUBLICIDADE QUARESMA SEXUALIDADE XAVERIANOS ÁFRICA ÁGUAS ANÔNIMOS APUCARANA CAMPINAS COMUNICADOS CONFISSÃO CristoRedentor CÁRITAS DEFICIENTES DEPRESSÃO FLORIANÓPOLIS FOTODIGITAL INGLATERRA OpusDei PARAGUAI POBREZA SANTOANTÔNIO TERRORISMO ANIVERSÁRIO APARIÇÕES ARGENTINA CEBs CIDADANIA CLARETIANOS IDOSOS ISLAMISMO JERUSALÉM JOÃOPAULOII JUSTIÇA LITERATURA MANAUS PARANÁ PARÓQUIAS PAULINAS PENSAMENTOS REDEVIDA RESSURREIÇÃO SANTUÁRIOS SOLIDARIEDADE UMUARAMA  NOTÍCIAS ADOÇÃO ATEÍSMO AUTOESTIMA BAIXOCLERO CANTORES CATEQUESE COOPERATIVISMO CORPUSCHRISTI CÉLULAS DOCUMENTOS DOUTRINASOCIAL ESCÂNDALO ESTATÍSTICA FILOSOFIA GASTRONOMIA GotasBíblicas MARISTAS MEDITAÇÃO MESTERS MIGRANTES MOTIVAÇÃO MÉXICO NSGUADALUPE PECADO PEDOFILIA PadreChrystian RELIGIOSOS RENOVAÇÃO SUDÁRIO SãoFreiGalvão TABAGISMO TERRASANTA UNIDADE VIOLÊNCIA BEATIFICAÇÃO ACONSELHAMENTO ADORAÇÃO ANTICRISTO APAEs APOSTAS APOSTASIA ARMÊNIA AUTOCURA AVAAZ BATIZADOS BEAGÁ BIOGRAFIAS CHILE CHINA CIRCO CONSAGRAÇÃO CONVERSÃO CÍRCULOS DEBATE DEMOGRAFIA EMPRESAS ESPANHA EUROPA EVANGELISMO Especial FOZDOIGUAÇU FREIBETTO FREIDAMIÃO FRUTAS FÁTIMA GOIÂNIA GREVE GruposBíblicos HOMENAGENS IDEIAS IMPEACHMENT JESUITAS JOINVILLE LITURGIA LOURDES MARANHÃO MATOGROSSO MISERICÓRDIA MSM NÔMADES OAnônimo ONGs P.CARCERÁRIA PADROEIRA PATERNIDADE PAULOFREIRE PERFIL PERNAMBUCO PETRÓPOLIS PHN PIAUÍ POLIGAMIA PORNOGRAFIA PPI PROFISSÕES PROMESSAS PROSPERIDADE Pe.FÁBIOdeMELO Pe.PauloRicardo Prof.MARINS REDEGLOBO RELÍQUIAS RONDÔNIA RUSSIA SACRILÉGIO SANTACATARINA SANTAMISSA SANTAPAULINA SANTOANDRÉ SEGURANÇA SOBRIEDADE SOROCABA SÍNODO Século21 TAUBATÉ TECNOLOGIA TERCEIROSETOR TURQUIA UNESCO VIDANIMAL ZUMBI

Natal, tempo de alegria e de misericórdia


Leia o artigo de Dom Washington Cruz:
    O mundo acompanhou, recentemente, o gesto do Santo Padre de celebrar a abertura da Porta Santa, dando início ao Ano Jubilar que tem como tema motivador a experiência da misericórdia. Naquela ocasião, o papa Francisco disse que “o Jubileu significa a grande porta da misericórdia de Deus, mas também as pequenas portas das nossas igrejas, abertas para permitir que o Senhor entre e sempre nos renove, mas abertas também para que possamos sair a anunciar a alegria do Evangelho” (Audiência Geral, 18 novembro 2015).

    O Natal é o grande sinal da misericórdia de Deus para com seu povo. Jubileu é tempo de alegria. O Nascimento do Menino Deus foi anunciado com grande alegria nos céus, conforme narra o Evangelho de São Lucas. E a fonte da alegria está na presença e na proximidade de Deus que nos enviou seu filho unigênito, nascido da Virgem Mãe. É Ele a causa da nossa alegria. São Paulo não se contém na convocação jubilar: “Alegrai-vos sempre no Senhor. Novamente vos digo: alegrai-vos. O Senhor está próximo” (Fl 4,4).

    A grande alegria do Natal não reside no comércio ávido dos presentes tantas vezes sem sentido. A grande alegria do Natal também não se esgota à mesa das confraternizações e das festas tão comuns neste tempo e que tantas vezes entorpecem a visão e as mentes e não permitem enxergar a verdadeira razão da alegria do Natal. A alegria do Natal é tão simples, quanto profunda. Deus, rico em misericórdia, Ele próprio amor sem limites, vem ao encontro do gênero humano na figura simples de um menino em meio a uma cena marcadamente familiar e igualmente simples. Sem pompas, distante dos festins imperiais, em meio aos animais e junto dos pobres, é de lá que vem o grande sinal da misericórdia de Deus. A alegria cristã é uma alegria serena, tranquila, que acompanha sempre o cristão, porque brota da certeza de que Deus nos ama, de que somos importantes para Ele, de que estamos sempre em Suas mãos. Porque a misericórdia de Deus é fonte de alegria.

    O clamor eloquente do Natal é evidente. A prática da misericórdia educa para a necessidade de estar atento às periferias geográficas e existenciais, aos limites onde o homem não mais encontra sentido, onde as forças humanas parecem esvair-se para, de lá, se perceber que o Deus-Menino restaura as esperanças, renova a coragem, dá novo alento ao seu povo. Na Encarnação no seio da Virgem Maria, o Filho de Deus resgata a humanidade, ofertando os marcadores mais significativos para uma vida verdadeiramente alegre e para uma sociedade autenticamente justa e fraterna.

    O Natal traz uma relação estreita com o gesto do papa Francisco na abertura da Porta Santa. “Estou à porta e bato, se alguém ouvir a minha voz e me abrir a porta, entrarei na sua casa e cearemos, eu com ele e ele comigo” (Ap 3,20). Atravessar a Porta Santa e celebrar o Jubileu será este nosso abrir a porta a Deus que nos aguarda, a Deus que, na Encarnação de Jesus no seio de Maria, quer entrar na nossa vida, no nosso coração e dar-nos vida em abundância. Abrir as portas é deixar Deus entrar e iluminar a nossa mente, abrir os nossos corações aos outros; olhar com os olhos de Deus, rico em misericórdia, o mundo em que vivemos, e que construímos e sonhamos. Libertar o nosso coração de tudo o que seja egoísmo e maldade.

    “Sede misericordiosos como o Pai é misericordioso” é o lema do Jubileu. Abre-se, assim, um tempo novo, um ano da graça para contemplar o mistério da misericórdia, que é fonte de alegria, serenidade e paz; uma oportunidade para fixarmos o nosso olhar no rosto de Cristo e nos tornarmos, nós próprios, sinal eficaz do agir do Pai (MV, 2-3). Tal como Cristo é misericordioso, assim somos chamados, também nós, a sermos misericordiosos uns para com os outros.

    Nesta bela tradição do Natal reside uma nova oportunidade para que todos preparem os corações e seus ambientes mais próximos para receber Jesus Menino, saboreando e testemunhando cada um a alegria de ser cristão. A Virgem Santa Maria, Mãe da Misericórdia, acompanhe nesse itinerário.

    E que o Natal reacenda a esperança do povo brasileiro, nestes momentos complexos do cenário nacional, a encontrar o caminho da misericórdia e da justiça, alicerces de um mundo novo no qual todas as divisões devem ser superadas.


    Cristo, na sua encarnação na história, reúne a humanidade dispersa, alinha os corações segundo o querer de Deus e restaura a esperança definitiva que ultrapassa todas as desesperanças. E realiza a verdadeira Justiça, uma das consequências concretas que o Ano Jubilar anuncia.

Feliz e Santo Natal a todos!

+ Dom Washington Cruz
Arcebispo de Goiânia (GO)

0 comentários:

SUPLEMENTO

Edição 47