LEIA A BÍBLIA

ORATÓRIO

ORATÓRIO
Acenda uma vela

SIGA-NOS

twitter

MARCADORES

RIODEJANEIRO SANTOS NOTÍCIAS VATICANO ARTIGOS LONDRINA VICENTINOS FAMÍLIA JMJ MEMÓRIA BEATIFICAÇÃO HOMILIAS ECUMENISMO Formação POLÍTICA SAÚDE MÚSICOS CNBB ECONOMIA Pe.REGINALDO CINEMA CAMPANHAS EUA ESPIRITUALIDADE MINASGERAIS PASTORAIS SÃOPAULO ABORTO CANÇÃONOVA LIVROS ORAÇÕES CURITIBA JUVENTUDE MARINGÁ MISSÕES POLÍCIA PORTUGAL EXORCISMO COMUNICAÇÃO MULHER Testemunho Entrevista INTERNACIONAL JUNDIAÍ VOCAÇÕES MUDABRASIL FUTEBOL MENSAGENS Pe.ZEZINHO UNIVERSITÁRIOS DireitosHumanos EUCARISTIA APOLOGÉTICA DENÚNCIA TEOLOGIA HUMOR INTERNET MILAGRES BÍBLIA ECOLOGIA CANONIZAÇÃO NAMORO APARECIDA CASAMENTOS EDUCAÇÃO MOVIMENTOS PASTCRIANÇA ANCHIETA CIMI CIÊNCIA CORRUPÇÃO ESPORTE POESIAS Rio+20 SALVADOR SANTAMARIA TURISMO VATICANOII APOSENTADOS CRIANÇAS EVANGELIZAÇÃO FINADOS INFANTIL IRMÃDULCE PALOTINOS ADVOCACIA AGRICULTURA CARNAVAL PORTOALEGRE PSICOLOGIA TEATRO AMAZONAS BENFEITORES BRASÍLIA COMEMORAÇÕES COMUNICADOS CRÔNICAS DEMOCRACIA DIREITOS DOCUMENTÁRIO FOCOLARES FORTALEZA MEIOAMBIENTE MUTICOM PARANAGUÁ POBREZA PUBLICIDADE QUARESMA SEXUALIDADE XAVERIANOS ÁFRICA ÁGUAS ANÔNIMOS APUCARANA CAMPINAS CONFISSÃO CristoRedentor CÁRITAS DEFICIENTES DEPRESSÃO FLORIANÓPOLIS FOTODIGITAL INGLATERRA OpusDei PARAGUAI SANTOANTÔNIO SANTUÁRIOS TERRORISMO ANIVERSÁRIO APARIÇÕES ARGENTINA CEBs CIDADANIA CLARETIANOS IDOSOS ISLAMISMO JERUSALÉM JOÃOPAULOII JUSTIÇA LITERATURA MANAUS PARANÁ PARÓQUIAS PAULINAS PENSAMENTOS REDEVIDA RESSURREIÇÃO SOLIDARIEDADE UMUARAMA UNIDADE  NOTÍCIAS ADOÇÃO ATEÍSMO AUTOESTIMA BAIXOCLERO CANTORES CATEQUESE COOPERATIVISMO CORPUSCHRISTI CÉLULAS DOCUMENTOS DOUTRINASOCIAL ESCÂNDALO ESTATÍSTICA FILOSOFIA GASTRONOMIA GotasBíblicas HOMENAGENS MARISTAS MEDITAÇÃO MESTERS MIGRANTES MOTIVAÇÃO MÉXICO NSGUADALUPE PECADO PEDOFILIA PadreChrystian RELIGIOSOS RENOVAÇÃO SUDÁRIO SãoFreiGalvão TABAGISMO TERRASANTA VIOLÊNCIA BEATIFICAÇÃO ACONSELHAMENTO ADORAÇÃO ANTICRISTO APAEs APOSTAS APOSTASIA ARMÊNIA AUTOCURA AVAAZ BATIZADOS BEAGÁ BIOGRAFIAS CHILE CHINA CIRCO COLÔMBIA CONSAGRAÇÃO CONVERSÃO CÍRCULOS DEBATE DEMOGRAFIA EMPRESAS ESPANHA EUROPA EVANGELISMO Especial FOZDOIGUAÇU FREIBETTO FREIDAMIÃO FRUTAS FÁTIMA GOIÂNIA GREVE GruposBíblicos IDEIAS IMPEACHMENT JESUITAS JOINVILLE LITURGIA LOURDES MARANHÃO MATOGROSSO MISERICÓRDIA MSM NÔMADES OAnônimo ONGs P.CARCERÁRIA PADROEIRA PATERNIDADE PAULOFREIRE PERFIL PERNAMBUCO PETRÓPOLIS PHN PIAUÍ POLIGAMIA PORNOGRAFIA PPI PROFISSÕES PROMESSAS PROSPERIDADE Pe.FÁBIOdeMELO Pe.PauloRicardo Prof.MARINS REDEGLOBO RELÍQUIAS RONDÔNIA RUSSIA SACRILÉGIO SANTACATARINA SANTAMISSA SANTAPAULINA SANTOANDRÉ SEGURANÇA SOBRIEDADE SOROCABA SÍNODO Século21 TAUBATÉ TECNOLOGIA TERCEIROSETOR TURQUIA UNESCO VIDANIMAL ZUMBI

O menino Jesus não se tornou a “Rainha do Céu”


Leia o artigo de Dom Tomé Ferreira da Silva:
    Na cidade de São José do Rio Preto, na noite do dia 16 de setembro, numa promoção do Sesc, ocorreu a encenação da peça intitulada “O Evangelho segundo Jesus, rainha do céu”, recusada em outras cidades e proibida pela justiça, na mesma ocasião, na cidade de Jundiaí. Alguns dias antes, a exposição “Queermuseu” foi cancelada em Porto Alegre, promovida pelo banco Santander. Um outro “artista” nu tem se apresentado usando uma imagem de Nossa Senhora Aparecida como tapa-sexo e depois “rala”, literalmente, a imagem reduzindo-a a pó; a mesma pessoa também usou hóstias para escrever palavras impróprias em uma exposição.


    No ano passado, na Catedral de São José do Rio Preto a imagem de Nosso Senhor Jesus Cristo Crucificado foi estraçalhada. Nos últimos anos, inúmeras igrejas em São José do Rio Preto foram arrombadas e roubadas, em flagrante desrespeito ao Santíssimo Sacramento e a símbolos católicos. São apenas alguns fatos, dentre tantos, que formam uma corrente sucessiva de “agressões” às religiões e igrejas, atingindo seus valores, símbolos, sacramentos, sacramentais e pessoas.

    O homem é o produtor da cultura. A arte, em qualquer uma de suas manifestações, é uma expressão da cultura, uma entre tantas outras. Das expressões da cultura, a mais ampla, profunda e madura é formada pelo conjunto dos valores que norteiam a vida humana e a sociedade e que são fundantes da ética. Os valores possuem horizonte mais amplo que as demais manifestações culturais.  A arte, como uma expressão de cultura, está também ela circunscrita aos valores. Antropológica e culturalmente não é possível pensar a arte sem a ética dos valores, como também não é possível pensar nenhuma manifestação cultural fora do horizonte da ética da responsabilidade.

    Do mesmo modo que a cultura é plural nas suas manifestações, também a arte se expressa de variados modos. Cultura e arte estão sempre condicionadas pelo tempo e espaço, são plurais, ambivalentes e sujeitas a ambiguidades. As artes são modos de exprimir o belo. O belo é o mais frágil dos transcendentais, junto com o uno, a verdade e o bom. As manifestações artísticas estão sujeitas aos limites que lhe são próprios por natureza. O belo é tão sublime que não se deixa exprimir por um único meio, e cada expressão do belo carrega consigo uma ausência da plenitude da beleza. A fragilidade das expressões artísticas abre espaço para a ambivalência e ambiguidade, que podem ser o caminho para a transgressão e a absolutização da subjetividade, quando o eu tem a tentação de tornar-se maior que o belo.

    Basta adjetivar algo de “artístico” para ser arte? A arte é totalmente subjetiva se não tem critérios que ajudam no discernimento do que é a obra de arte. A arte em qualquer uma de suas manifestações possui uma dimensão objetiva. Esta objetividade da arte, como também dos valores, está intimamente vinculada com a vida cultural e social da pessoa humana. A adjetivação de algumas produções culturais como “arte” parece estar sendo usada como artifício para fugir da ética dos valores e da responsabilidade social, como se as expressões artísticas estivessem para além dos valores e dispensadas deles. Em muitas situações estas produções culturais que se autodeterminam de artísticas parecem buscar os benefícios do Estado ou de outras expressões da sociedade civil para incomodar, provocar e agredir pessoas e grupos específicos que pensam diferente, expressão sensível e doída da intolerância, pois atinge a “alma” das pessoas e dos grupos.

    A sociedade, através das suas instituições de governo ou não, deve ser garantidora dos valores éticos e das artes, assegurando a pluralidade das manifestações artísticas e garantindo o respeito aos valores consolidados que balizam a vida humana e social. Por que as religiões e igrejas podem ser criticadas, caluniadas, vilipendiadas por pessoas e grupos, que em alguns casos se apresentam como artistas? E por que as religiões e igrejas, ao se manifestarem diante das críticas em sua autodefesa, são taxadas de ignorantes, fanáticas e retrógradas? Por que uns “podem” usar os meios de comunicação para divulgarem suas “obras” e os ofendidos não podem usar os mesmos meios para uma reação pedindo respeito e uma ética de responsabilidade dos produtores de arte e dos mecenas? Por que os “artistas” podem tudo e as pessoas religiosas e seus líderes não podem nada?

    É dever da sociedade organizada acompanhar as manifestações da arte para que não saiam da esfera de uma ética dos valores e da responsabilidade, não transgridam os limites do respeito aos diversos grupos que formam a sociedade e não agridam valores humanos e religiosos. Para tanto, basta observar o que está na constituição e nos dispositivos legais do nosso Brasil. Quando a sociedade organizada não faz o seu papel de supervisora, a partir da legislação vigente, a transgressão livre, consciente e proposital levará indubitavelmente à agressão. Quando os poderes constituídos da sociedade civil não cumprem a sua missão, fica o espaço aberto para o vandalismo e o desrespeito gratuito diante do diferente. A imensa maioria dos produtores de arte e dos artistas são bons e sabem exprimir a beleza de modo adequado sem fugir à ética dos valores e da responsabilidade. Estes realizam interpretações de temas religiosos com inteligência, beleza e bom gosto, contribuindo para a difusão do bem na sociedade. Muitos deles realizam edificantes leituras da pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo e das manifestações de fé próprias dos cristãos; muitas destas obras são patrimônio cultural da humanidade.

    Quando a arte usa de elementos religiosos precisa de uma atenção singular, pois Deus, as pessoas santificadas, os valores religiosos, os livros sagrados, seus símbolos e seus sinais são frutos da Revelação e da história, muitas vezes milenar, como é o caso do Cristianismo. A Bíblia, seus personagens e fatos, não pode ser vista de igual modo como se olha livros de outra natureza. A linguagem e os conteúdos bíblicos devem ser interpretados através de uma hermenêutica própria. O mesmo ocorre com a pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo, que precisa ser apreciado sem fugir dos instrumentais adequados para compreendê-lo. Uma “leitura livre”, artística ou não, da Bíblia e de Nosso Senhor Jesus Cristo, pode correr o risco de falsificar a verdade, induzir ao erro e relativizar erroneamente a fé e a moral, criando e promovendo a divisão na sociedade, pois ao agredir a fé perturba também a paz.

    Não cabe às religiões e Igrejas “demonizar a arte”, mas contribuir para fazer dela instrumento de aproximação e / ou de recepção e manifestação do belo e também do sagrado. Não existe religião ou igreja que não tenha contribuído para o desenvolvimento da arte, pois o belo é sagrado, é divino. O cristianismo, desde a sua origem, sempre foi estreitamente vinculado às expressões artísticas; a sua história é também um capítulo da história da arte. Por outro lado, a história da arte não pode suprimir a contribuição do catolicismo para a música, a pintura, a escultura, a arquitetura, o teatro e o cinema. Não há incompatibilidade entre religiões, igrejas e manifestações artísticas.

    Os valores éticos e religiosos contribuem para que a arte realize bem a sua missão de ser transmissora dos valores artísticos. No entanto, lamentamos e repudiamos todas as manipulações ideologizadas de expressões artísticas, como a ocorrida no Sesc, em São José do Rio Preto, que agrediu a fé e os valores de noventa e cinco por cento da população cristã da cidade. Ética, responsabilidade e respeito são bons e nós, cristãos, merecemos e queremos.

Dom Tomé Ferreira da Silva
Bispo de São José do Rio Preto/SP

0 comentários:

SUPLEMENTO

Edição 47